Pesquisa de Pós-Doutorado desenvolvida no PPGEL será apresentada em evento
Textos de estudantes de diversos cursos foram analisados com fundamentação nas perspectivas teóricas da enunciação, de Émile Benveniste, e da Teoria da Argumentação na Língua, de Oswald Ducrot e colaboradores

Assessoria de Comunicação do Campus Chapecó

Publicado em: 23 de junho de 2017 14h06min / Atualizado em: 23 de junho de 2017 15h06min

O “Fronteiras: Laboratório de Estudos do Discurso” e o Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (PPGEL) da UFFS – Campus Chapecó promovem o Colóquio Fronteiras, na quinta-feira (29), com a palestra “A subjetividade e a tessitura relacional em textos de alunos da UFFS: resultados de um estudo teórico-analítico”. O evento será às 19h, no auditório do Bloco A.

A ministrante será a professora Alessandra da Silveira Bez (bolsista PNPD-Capes/UFFS-PPGEL). A palestra marca a conclusão da bolsa de pós-doutorado da professora, que realizou o trabalho vinculada ao PPGEL da UFFS – Campus Chapecó durante dois anos e meio, sob supervisão da professora Ângela Derlise Stube.

Conforme Alessandra, a pesquisa foi desenvolvida na UFFS pelo fato de o PPGEL dispor da linha de pesquisa “Práticas Discursivas e Subjetividades”, área de estudo da professora, mas sob uma perspectiva teórica diferente: a enunciação, de Émile Benveniste, e a Teoria da Argumentação na Língua (ANL), de Oswald Ducrot e colaboradores.

O projeto de pesquisa "Subjetividade e Semântica: a marca do sujeito e a tessitura relacional em textos de Ensino Superior" teve por objetivo estudar as marcas do sujeito e a tessitura relacional em textos de alunos de Ensino Superior do curso de Letras da UFFS – Campus Chapecó. A metodologia utilizada consistiu, inicialmente, em uma explicação teórica do que é subjetividade e tessitura relacional; depois, sobre como os dois fenômenos linguísticos ocorriam em textos que circulavam na mídia (crônicas, charges, tirinhas, etc.). E, finalmente, a produção de textos em diferentes gêneros pelos estudantes participantes. Os textos foram o objeto de análise da pesquisa.

Para a análise dos dados, a pesquisadora se fundamentou nas perspectivas teóricas da enunciação, de Émile Benveniste, a fim de verificar a subjetividade, e da Teoria da Argumentação na Língua de Oswald Ducrot e colaboradores, para verificar como o sentido do texto se constitui de forma intralinguística. “Através desta aplicação, encontrou-se o seguinte resultado: a singularidade, permeada pelo entrelaçamento argumentativo, é constitutiva dos textos acadêmicos, desfazendo a noção de falta de identidade nesse gênero textual. E o resultado deste projeto de 2015 deu tão certo que um dos alunos-participantes desenvolveu o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) baseado na Teoria da Argumentação na Língua, de Oswald Ducrot e colaboradores, inédito até então na Instituição”, explicou a professora.

Com os resultados positivos desse primeiro ano de estudos, houve a renovação da bolsa e, com isso, um novo projeto de pesquisa foi realizado no ano de 2016 e início de 2017: "Textos de Ensino Superior das Ciências Humanas: a marca do sujeito e a tessitura relacional". O objetivo e a fundamentação teórica foram as mesmas do projeto anterior, mas desta vez houve um alargamento do público-alvo. Foram trabalhados textos de estudantes dos cursos de Filosofia, Geografia, História e Pedagogia da UFFS – Campus Chapecó. “O fato curioso aqui é que a subjetividade e o entrelaçamento argumentativo foram encontrados na releitura de um conto infantil. Por isso, esse segundo projeto é carinhosamente apelidado como Chapeuzinho Vermelho”, destacou Alessandra.

Para a professora, algumas palavras de Oswald Ducrot são capazes de mostrar como essa trajetória subjetivou a ela mesma: “[...] a língua é, antes de mais nada, o lugar da intersubjetividade, o lugar onde os indivíduos se confrontam, o lugar onde encontro outrem. Ora, outrem, ou não é nada, ou é este outro constitutivo de que fala Platão, este outro que me constitui a mim mesmo, porque é somente através dele que posso me ver e é através do seu reconhecimento que posso me conhecer. Pensar que sou este ou aquele é sempre imaginar alguém que me vê como este ou como aquele, e cujo olhar me constitui”.

A atividade é aberta a todos os interessados, e as inscrições podem ser feitas pelo e-mail alessandradasilveirabez@gmail.com ou diretamente no local.