Desafios da docência em Ciências Sociais foi tema de debate na UFFS

Publicado em: 21 de outubro de 2011 13h10min / Atualizado em: 05 de janeiro de 2017 09h01min

Durante a semana de 17 a 21 de outubro, o auditório da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) - Campus Erechim, foi palco de inúmeras reflexões, questionamentos e debates sobre as temáticas apresentadas no I Seminário de Pesquisa e Ensino em Ciências Sociais (SEPECS).

 Um exemplo foi a mesa-redonda ocorrida na noite de quinta-feira (20), que abordou o ensino de Ciências Sociais. Fizeram parte da mesa de debates, o professor da UFFS - Campus Chapecó, Leonardo Rafael Santos Leitão, o professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) - Campus Osório, Leandro Raizer, e como mediador o professor da UFFS - Campus Erechim, Thiago Ingrassia Pereira.

De acordo com Pereira, o ensino de Ciências Sociais na educação básica brasileira enfrenta um duplo desafio que é conciliar o rigor científico e pedagógico com a crítica social reflexiva. Para ele, de um lado seus professores devem dominar um conjunto amplo de disciplinas e seus saberes e de outro devem ser capazes de sensibilizar seus alunos, mesmo que esses, em muitos aspectos, sejam herdeiros de um modelo educacional mecanicista e pouco reflexivo. "A UFFS – Campus Erechim pretende ser um espaço de referência em nível local na formação de professores de sociologia. Para isso, busca consolidar atividades que despertem os estudantes para o desafio da formação acadêmica para a docência em Ciências Sociais, articulando práticas e saberes na relação com a educação”, ressaltou Ingrassia.

Segundo o professor da UFFS - Campus Chapecó, Leonardo Rafael Santos Leitão, unir formação técnica e humana, bem como formar um bom professor, que também seja pesquisador, é um dos grandes desafios da atualidade. “No mundo da técnica as transformações ocorrem muito rápido e precisamos ter sujeitos capazes de aprender independente de uma educação formal, a se adaptarem e criticarem essas transformações da sociedade”, afirmou.

Para o professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) - Campus Osório, Leandro Raizer, o Ensino Médio encontra-se em crise, já que dados de 2007 revelam que apenas 13% dos jovens brasileiros estão matriculados neste nível de ensino. “Todos nós temos uma responsabilidade com a educação, como professores, ou como pais de alunos, ou como irmãos de alunos, não importa, ou como consumidores atendidos, como pessoa que está na escola ou saiu dela, seja uma escola boa ou ruim, todos temos esta responsabilidade”, avaliou.

Para os acadêmicos que participaram dos debates, esses momentos são importantes pelo contato com outras formas de pensar, a possibilidade de diálogo, troca de informações entre os estudantes e professores convidados. “Os assuntos abordados são pertinentes e a presença de profissionais da área nos incentivam a buscar o conhecimento, reconhecendo que a aprendizagem vai muito além da sala de aula”, relatou a acadêmica do curso de Licenciatura em Ciências Sociais, Fernanda May.

Na avaliação do coordenador do evento, Cássio Cunha Soares, as atividades realizadas integraram um conjunto de iniciativas dos professores do curso de Ciências Sociais que, apesar de inúmeras dificuldades, sinalizam o entendimento de que o ensino público superior brasileiro possui qualidade e é referência nacional, porque vai além do esquema "hora-aula. “O I SEPECS está cumprindo seu papel de espaço de reflexão sobre as atividades de pesquisa, ensino e extensão realizadas no âmbito do curso, ao mesmo tempo que dialoga com cientistas sociais de outras universidades sobre temas relevantes para o exercício e a prática da Ciência Social na região”, concluiu.

O curso de Licenciatura em Ciências Sociais da UFFS – Campus Erechim é o primeiro da região Norte do Estado do Rio Grande do Sul.