Partilhando Leituras discute “O mundo assombrado pelos demônios” no Campus Erechim

Publicado em: 04 de dezembro de 2012 13h12min / Atualizado em: 05 de janeiro de 2017 13h01min

O programa de extensão Sinestésicos: arte, cultura e comportamentos altissonantes realiza no sábado (8) mais uma edição do Partilhando Leituras. O livro escolhido para basear o debate é “O Mundo Assombrado Pelos Demônios: a ciência vista como uma vela no escuro”, de Carl Sagan, que será lido pelos professores Paulo Bittencourt e Jerzy Brzozowski. O programa de extensão é desenvolvido na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Erechim.

 A atividade acontece a partir das 14h, no auditório da Universidade, junto ao Seminário Nossa Senhora de Fátima. Haverá certificação e a programação é aberta a todos os interessados, da comunidade acadêmica e externa.

Publicado pela primeira vez em 1995, "O mundo assombrado pelos demônios" encerra 25 ensaios. Conforme Bittencourt, trata-se de um livro que reafirma a força do conhecimento científico “para tentar iluminar, como uma vela, os dias de hoje, tomado pela escuridão das explicações pseudocientíficas e esotéricas, e recuperar os valores da racionalidade”.

Segundo Bittencourt, Carl Sagan apresenta o método científico de modo acessível, encorajando todos a vislumbrar o mundo com admiração (com abertura para novas ideias, por mais bizarras ou contrárias à intuição) e a partir de um exame cético implacável. O professor diz que o autor, assombrado com a escuridão que parecia tomar conta do mundo, onde explicações pseudocientíficas e místicas ocupavam cada vez mais os espaços dos meios de comunicação, procurou demonstrar, sobretudo, as distinções entre as formas de pensar da ciência e do que ele chama de pseudociência (superstições, fraudes, crenças em deuses, bruxas, OVNIs, percepção extrassensorial e cura pela fé).

“Há um cientista adormecido em todos nós e a ciência se constitui como uma saber de linguagem universal. Uma das tarefas mais nobres, portanto, à qual o cientista pode se devotar é a divulgação científica, que, no marco de um mundo assolado pela escuridão da pseudociência, torna-se praticamente um imperativo ético”, comenta Bittencourt acerca do livro.

O autor

Carl Sagan (1934-1997) foi cientista, astrônomo, cosmólogo, autor e escritor de ficção científica norte-americano e um dos mais expressivos divulgadores da ciência no século XX. Ele passou grande parte da carreira atuando como professor da Universidade Cornell, onde era diretor do laboratório de estudos planetários.

Foi um dos promotores da instituição de pesquisas Seti (Search for Extra-Terrestrial Intelligence - Busca por Inteligência Extraterrestre), fundou a organização não-governamental Sociedade Planetária e foi pioneiro nos estudos da astrobiologia.

Ele é conhecido principalmente por seus livros de divulgação científica e pela premiada série televisiva “Cosmos”, que ele mesmo apresentou e coescreveu. O livro “Cosmos” foi publicado para complementar a série. Sagan escreveu também o romance “O contato”.