Resultados de pesquisas de mestrado são apresentados no CAPA
Acadêmicas do PPGCTA tiveram apoio da entidade nas etapas de estudos de campo

Assessoria de Comunicação do Campus Erechim

Publicado em: 27 de março de 2018 09h03min / Atualizado em: 27 de março de 2018 11h03min

Acadêmicas egressas do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental (PPGCTA) da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Erechim apresentaram, na tarde do dia 19 de março, resultados de duas pesquisas desenvolvidas no curso e que tiveram auxílio do Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia (CAPA). A socialização dos estudos foi realizada na sede do CAPA.

De acordo com o professor Eduardo Korf, do PPGCTA, o CAPA auxiliou as acadêmicas da UFFS em acompanhamentos técnicos junto a agricultores da região, em visita às propriedades e indicação de locais com interesse em apoiar as etapas de estudo de campo.

A dissertação “Avaliação de diferentes processos de compostagem em pequena escala com adição de microrganismos eficientes”, da agora mestra Renata Panisson, teve parte da pesquisa realizada na propriedade de Eloir De Paula e Marilice Mader, no interior de Erechim, e também na propriedade da família Panisson, no interior de Vila Lângaro.

Com orientação dos professores Eduardo Pavan Korf e Helen Treichel, o objetivo do trabalho foi melhorar o processo de compostagem e vermicompostagem em pequena escala, eliminando a presença de microrganismos patógenos, como coliformes termotolerantes e salmonela. O trabalho recebeu apoio financeiro na Chamada Universal MCTI/CNPq nº 01/2016, em projeto de edital externo coordenado pelo professor Eduardo, e nos editais de produtividade em Pesquisa - 306558/2014-9 e MCTI/CNPQ/Universal - Faixa B, com projetos coordenados pela professora Helen.

O segundo trabalho que teve seus resultados socializados no CAPA foi a dissertação “Avaliação do efeito tóxico de cobre oriundo de aplicação de calda bordalesa em produção orgânica de laranjas e uvas”, de Daniela Frizzo Philippsen, orientada por Rosilene Rodrigues Kaizer Perin e Eduardo Pavan Korf.

O trabalho foi realizado na propriedade de Henrique e Iraci Chittó, no interior de Erval Grande. Avaliou o efeito tóxico oriundo da aplicação de calda bordalesa (um tipo de fungicida) em produção orgânica de laranjas e uvas. Foram encontrados níveis elevados de cobre nos solos que receberam o fungicida a base de cobre, bem como níveis elevados de cobre nos sucos de uva e laranja. Apesar das concentrações encontradas estarem dentro dos limites aceitos na literatura, as doses encontradas nos sucos promoveram alterações relevantes em organismos estudados, demonstrando efeitos tóxicos ao sistema nervoso e potencial de bioacumulação.

Articulação entre UFFS e CAPA: auxílio e integração para a pesquisa acadêmica

De acordo com Eduardo Korf, o apoio do CAPA nas pesquisas é “muito importante para a aplicabilidade do conhecimento aqui produzido e também para contribuir na transferência de tecnologia social, aplicada aos agricultores e pequenas propriedades que têm interesse em fazer compostagem de pequena escala”. Participaram da socialização dos resultados, representando o CAPA, a engenheira agrônoma Ingrid Margarete Giesel e a tecnóloga em agroecologia Juliana Paula Vendrame. Um dos agricultores que teve sua propriedade estudada nas pesquisas também participou do encontro.

Transparência

Na Chamada Universal MCTI/CNPq nº 01/2016, o projeto “Caracterização e aplicação de resíduos orgânicos agroindustriais em processo de tratamento por compostagem com bioaumento por microrganismos benéficos”, coordenador por Eduardo Pavan Korf, teve como fundação de apoio e órgão descentralizador do recurso o CNPq. O local de execução do projeto foi a UFFS - Campus Erechim (instituição executora) e o valor do contrato foi de R$ 24 mil.

Já o projeto “Uso combinado de peroxidases, ultrassom e micro-ondas no tratamento de efluentes agroindustriais”, coordenado por Helen Treichel, teve o CNPq como fundação de apoio e a UFFS como órgão descentralizador do recurso. O local de execução do projeto é Erechim e o valor do contrato é de R$ 55 mil.