Campus Laranjeiras do Sul: evento discute importância da educação pública no desenvolvimento regional

Publicado em: 17 de maio de 2016 08h05min / Atualizado em: 03 de janeiro de 2017 17h01min

Com organização do Grupo de Estudos em Teoria Econômica Crítica e Contemporânea (GETECH), acontece nesta quarta-feira (18) na UFFS – Campus Laranjeiras do Sul o encontro “A crise na educação: reorganização escolar e tomada de escolas”. O evento acontece a partir das 10h, na sala 207 do Bloco A do Campus, e é aberto à participação da comunidade acadêmica e regional, sem necessidade de inscrição prévia.

O objetivo do evento é discutir a importância da educação pública no processo de desenvolvimento regional e nacional, assim como a relevância da sua defesa como direito de todos e dever do Estado. Também procura refletir sobre as causas e consequências da precarização e mercantilização da Educação e as resistências que emergem no atual contexto socioeconômico.

O encontro contará com a presença de Verônica Almeida Silva Rosa, do Coletivo O Mal-Educado, com mediação dos docentes Luciana Henrique da Silva, Nádia Teresinha da Mota Franco e Mariano Sánchez. “Os estudantes têm dado uma lição na luta por direitos sociais, ao se manifestarem nas ocupações e em diversos outros atos contra o desmonte das conquistas, ainda que parciais, do estado democrático de direito”, diz Luciana da Silva, coordenadora do evento.

O seminário “A crise na educação: reorganização escolar e tomada de escolas” é o quinto evento, de um total de seis, do ciclo de debates “A crise contemporânea e as formas da resistência”, promovido pelo Grupo de Estudos em Teoria Econômica Crítica e Contemporânea (GETECH), constituído no curso de Ciências Econômicas da UFFS – Campus Laranjeiras do Sul.

Sobre o Coletivo

O Coletivo O Mal-Educado tem encampado a luta dos estudantes secundaristas no estado de São Paulo, a qual resultou na ocupação de mais de 100 escolas em 2015. O movimento foi motivado pelo fechamento de escolas proposto pelo governo paulista. Durante o ano de 2016 vem denunciando a chamada máfia da merenda, com a ocupação de escolas técnicas estaduais (ETECs).