Primeiros economistas formados comemoram colação de grau em Laranjeiras do Sul

Publicado em: 17 de março de 2014 08h03min / Atualizado em: 19 de janeiro de 2017 10h01min

Os 16 formandos da primeira turma do curso de Ciências Econômicas da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Laranjeiras do Sul colaram grau no último sábado (15), no Cine Teatro Iguaçu, em Laranjeiras do Sul. Esta foi também a primeira formatura com solenidade da UFFS.

Para o reitor, Jaime Giolo, a formatura do curso de Ciências Econômicas marca o início de uma nova etapa, tanto para a UFFS quanto para os acadêmicos. "A formatura coroa o trabalho de professores, alunos e técnicos. Mas coroa, especialmente, o trabalho da UFFS, que inaugura essa dimensão de conferir diplomas. Receber o diploma de finalização da graduação é o fechamento de uma etapa acadêmica e a abertura da etapa de experiência profissional para a maioria, mas também pode ser o momento de outros voos acadêmicos para aqueles que continuam estudando. Por isso, a UFFS alegra-se e agradece a colaboração de todos que tornaram possível esse momento", enfatiza Giolo.

O pró-reitor de Graduação, João Alfredo Braida, relembrou as origens da UFFS e sua trajetória, que culmina com a formatura desta primeira turma. "Por ser a primeira formatura em uma universidade que teve articulação política e social em toda a região para que passasse a existir efetivamente, este é o momento de coroamento de um trabalho, e estar aqui hoje é uma alegria muito grande", declara Braida. Ele ainda destaca que, para realização da solenidade, a Instituição colocou à disposição dos estudantes local e equipamentos necessários, mestre de cerimônias, becas, capelos, canudos e também serviços básicos de filmagem e fotografia. Conforme o pró-reitor de Graduação, a Resolução 6/2013/CONSUNI/CGRAD, que estabelece as Normas Protocolares para a Solenidade de Colação de Grau dos Cursos de Graduação da UFFS, deixa claro que a cerimônia de colação de grau dos estudantes de graduação da UFFS é uma responsabilidade da Instituição. “As primeiras formaturas representam a concretização do planejado, a garantia da conclusão do processo de formação dos estudantes”, analisa Braida.

O diretor do Campus Laranjeiras do Sul, Paulo Henrique Mayer, frisou que esta primeira turma já se forma com o curso reconhecido pelo Ministério da Educação, com conceito quatro. Para ele, isso mostra que a UFFS é "uma instituição extremamente séria, competente, com ótimo quadro de professores e técnico-administrativos, inclusive com reconhecimento institucional do Conselho Regional de Economia", informa Mayer. "Depois de quatro anos na universidade, os formandos saem prontos para o mercado de trabalho, mas também para promover o desenvolvimento regional", completa o diretor.

A coordenadora do curso, Janete Stoffel, reforça o importante papel que os novos economistas podem desempenhar para a região. "São profissionais preparados para contribuir com o desenvolvimento de instituições e empresas de Laranjeiras do Sul e região com o objetivo de ampliar as condições de vida para todos. É emocionante acompanhar esses jovens que em sua maioria provém de famílias nas quais são os primeiros a obterem título de nível superior. E sabedores dos desafios que agora lhes são atribuídos, encaram com responsabilidade o papel que passam a ter no desenvolvimento da região, cabendo aos gestores do setor público, instituições e empresas acreditar no potencial que esses profissionais possuem", aponta Janete.

Formandos

A economista recém-formada, Cristina Sturmer dos Santos, 21, destaca a participação dos estudantes na construção do curso de Ciências Econômicas na UFFS. "Foi muito interessante participar dos processos de construção da universidade. Nunca pensei que iria ajudar a construir uma universidade e um curso. Passamos por todo o processo de reconhecimento, de vir mais professores, de montagem de laboratórios, da construção do campus. Foi muito enriquecedor conseguir uma proposta de algo diferente", relembra a ex-aluna.O formando Odair José Ferreira de Oliveira, 31, também sente que a passagem pela universidade ampliou seus horizontes. "A universidade trouxe grande conhecimento em áreas diferentes, como contabilidade, desenvolvimento, cooperativismo, a história da região da Fronteira Sul, sociologia. Isso ajudou bastante no entendimento do processo como ocorrem os fatos, deu uma compreensão maior", diz o economista recém-formado.Para os formandos, o curso de Ciências Econômicas representou mais do que uma oportunidade de desenvolvimento profissional - foi também uma aula de cidadania. É o caso da formanda Carina Bertella, 21. "O curso me tornou uma pessoa mais consciente, aumentou o meu hábito de leitura, de ver notícias no dia a dia; acredito que melhorou muito até a minha maneira de pensar: senti uma diferença muito grande no decorrer dos quatro anos deste curso", afirma a ex-aluna.

Cristina também se surpreendeu ao encontrar na universidade um ambiente tão próximo às suas raízes. Ela e sua família, que são assentados há 17 anos, hoje fazem parte de uma cooperativa de produção agropecuária em Paranacity, no noroeste do Paraná. "Quando pensei que iria para a universidade, nunca imaginei que a instituição teria um caráter de algo a que eu estivesse tão ligada, que são o cooperativismo e as questões de reforma agrária", conta a economista recém-formada.

Entre as dificuldades enfrentadas por muitos estudantes, o formando Gerson Bernardo Fruhling, 22, que veio de Iporã do Oeste, em Santa Catarina, cita a mudança para outra cidade."A primeira dificuldade foi sair de casa porque venho de outro estado. Foi difícil no início, mas tive o apoio dos pais para fazer o curso", conta o ex-aluno. Para ele, o curso de Ciências Econômicas trouxe benefícios tanto para sua vida pessoal quanto profissional. "O conhecimento adquirido na universidade foi bom para mim, pessoalmente, e profissionalmente vai ser muito melhor, para poder mudar a realidade como um todo onde eu vou me inserir", reflete o novo economista. 

Muitos estudantes precisam também vencer dificuldades financeiras para concluir o curso universitário. Para esses estudantes, a UFFS disponibiliza diversas bolsas que contribuem para a permanência na instituição. É o caso do formando Yogo Kubiak Canquerinu, 21, que foi bolsista entre 2010 e 2013. Para ele, a passagem pela universidade promoveu seu aprimoramento pessoal. "A turma sempre foi unida, contamos também com o apoio dos professores. Essa interação proporcionou um crescimento intelectual e pessoal bem grande nesses quatro anos, que valeram muito a pena", afirma o ex-aluno. Canquerinu já sabe qual será o próximo desafio: "colocar em prática o que aprendemos no curso. Pode não ser fácil no início mas é um desafio que teremos que vencer".

O evento contou com a presença do reitor, Jaime Giolo, do vice-reitor, Antonio Inácio Andrioli, do pró-reitor de Graduação, João Alfredo Braida, do pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, Joviles Vitório Trevisol, do diretor do Campus Laranjeiras do Sul, Paulo Henrique Mayer, da coordenadora do curso de Ciências Econômicas, Janete Stoffel, professores, além de outros membros da comunidade acadêmica, amigos e familiares dos formandos. Os professores Paulo Alexandre Nunes, Antonio Maria da Silva Carpes e Luis Claudio Krajevski foram patrono, paraninfo e professor homenageado, respectivamente.