Projeto de iniciação científica faz análise sensorial de iogurte de guabiroba em Laranjeiras do Sul

Publicado em: 06 de dezembro de 2013 08h12min / Atualizado em: 25 de janeiro de 2017 08h01min

Nos dias 2 e 3 de dezembro, alunas do curso de Engenharia de Alimentos da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Laranjeiras do Sul realizaram uma análise sensorial de iogurte de guabiroba no laboratório de alimentos da unidade acadêmica. A atividade faz parte da pesquisa "Elaboração de Iogurte Orgânico de Guabiroba", coordenada pela professora Cátia Tavares dos Passos.

O objetivo da pesquisa é produzir iogurte orgânico adoçado com polpa de guabiroba nativa, variando as concentrações de polpa e açúcar orgânico. No total, foram quatro formulações diferentes, avaliadas através de testes de aceitação e intenção de compra pelos participantes da análise sensorial.

Além do sabor, os participantes julgaram também a cor, aparência e aroma dos iogurtes. As amostras foram numeradas aleatoriamente e cada uma delas continha 25 ml de iogurte a 7ºC, temperatura e quantidade ideais para esse tipo de degustação. Para cada quesito os participantes davam uma nota e depois a anotavam em um questionário.

A pesquisa é relacionada ao projeto "Desafio da construção de uma universidade comprometida para a agroecologia: uma nova proposta", aprovado pelo edital MDA/CNPq nº 58/2010 e coordenado pelo professor Paulo Henrique Mayer. Os professores Lisandro Tomas da Silva Bonome e Henrique Von Hertwig Bittencourt participaram na gestão e viabilização do projeto. Já os professores Thiago Bergler Bitencourt e Larissa Canhadas Bertan trabalharam em conjunto com a professora Cátia no projeto de iniciação científica que resultou no desenvolvimento do iogurte de guabiroba.

A professora Cátia explica o longo caminho percorrido até a escolha da guabiroba para compor o iogurte: "a parte que eu fiquei responsável para ser coordenadora era uma bebida láctea com características regionais. Para isso, primeiro foi feito um levantamento em propriedades orgânicas ou em fase de transição, ligadas à rede Ecovida, junto com um questionário que pesquisava também outros aspectos dessas propriedades, para verificar o número de árvores nativas que tinham em toda a região da Cantuquiriguaçu. Foram entrevistadas pessoas de mais de 100 propriedades, nas quais foi verificado que o maior número de árvores nativas são de guabirobeiras. Devido a isso que a guabiroba foi escolhida".

Cátia aponta que mais pesquisas desse tipo devem ser realizadas na universidade. "O desenvolvimento desse projeto com relação ao curso de Engenharia de Alimentos é o primeiro passo para muitos outros produtos que vão ser elaborados pelos professores do curso", afirma a pesquisadora.