Grupos e Projetos de Pesquisa

Grupos de Pesquisa

 

GRUPO DE PESQUISA:

Sanidade Animal - Sanimal 

Disponível no Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPQ

 

PROJETOS DE PESQUISA: 

Nome: Diagnóstico do Bem-estar no Âmbito da Saúde Animal.


Linha de pesquisa: Saúde, Diagnóstico e Bem-estar Animal na Fronteira Sul.

Descrição: O bem-estar animal, como ciência, já foi estabelecido e a preocupação atual com esta questão ocorre tanto no âmbito científico como formativo do médico veterinário. As práticas relacionadas ao bem-estar vão além da ética em experimentação animal e são indissociáveis da saúde animal. Na Mesorregião Grande Fronteira do Mercosul (MGFM) é iminente a necessidade de desenvolvimento de áreas como urbanização, educação e infraestrutura. Tais constatações, somadas à distância geográfica desta região em relação aos grandes centros, refletem problemas sanitários e carência de conhecimento acerca das cinco liberdades que representam o bem-estar animal. A falta de dados técnicos referentes às práticas de manejo e suas implicações ao bem- estar animal e às doenças que acometem os animais da região demandam a necessidade de especialização em procedimentos médico-veterinários. O objetivo do presente projeto é mapear as condições a que os animais são submetidos nas funções de produção, trabalho e convivência, considerando as questões ambientais e culturais. A partir da obtenção desses dados, o projeto implementará medidas que assegurem a promoção do bem-estar animal e a sua difusão na educação básica. Serão determinados fatores de estresse físico e psicológico e seus efeitos agudo, crônico e na dinâmica de adaptação. Serão comparados procedimentos clínicos, protocolos anestésicos, técnicas cirúrgicas e terapias convencionais ou alternativas na tentativa de minimizar possíveis efeitos como dor, medo, privação de liberdade, alterações comportamentais, tempo de recuperação pós-cirúrgico e retorno às atividades usuais. Para a caracterização do bem-estar serão utilizadas avaliações físicas, comportamentais e exames complementares. Dentre estes, serão incluídas avaliações específicas e/ou indiretas que avaliam a condição de saúde e imunidade, eletrocardiograma, exames de imagem e análises laboratoriais. Estas serão sustentadas por mensurações hormonais, exames hematológicos, bioquímicos, imunológicos, estresse oxidativo, técnicas de biologia molecular, parasitológico, citológico e histopatológico. Os procedimentos de observação identificarão comportamentos anormais como estereotipias, automutilação e alterações no relacionamento dentro do grupo. Além disso, será realizado o mapeamento do conhecimento e da conduta pela população regional no manejo com os animais, visando a conscientização sobre questões de bem-estar animal. A partir destes estudos espera-se implementar medidas que assegurem a promoção das cinco liberdades do bem-estar animal: liberdade nutricional; sanitária; ambiental; comportamental e psicológica. As medidas atenderão a crescente preocupação e interesse mundial da sociedade por esta questão ético-social ainda pouco praticada na MGFM e darão subsídio a atividades socioeducativas que visam a transformação da conduta da sociedade na sua relação com os animais.

Palavras-chave: Cinco liberdades. Estresse. Comportamento animal. Educação.

Docente responsável: Maiara Garcia Blagitz

Docentes: Dalila Moter Benvegnú, Denise Maria Sousa de Mello, Fabiana Elias, Fabiola Dalmolin, Fagner Luiz da Costa Freitas, Gabrielle Coelho Freitas, Gentil Ferreira Gonçalves, Luciana Bignardi de Soares Brisola, Luciana Pereira Machado, Marta Lizandra do Rêgo Leal, Tatiana Champion e Valfredo Schlemper.

 

Nome: Medicina e Conservação de Animais Silvestres

Linha de pesquisa: Saúde, Diagnóstico e Bem-estar Animal na Fronteira Sul

Descrição: A medicina de animais silvestres tem grande importância na conservação e recuperação da vida animal. A Mesorregião Grande Fronteira do Mercosul abriga ampla biodiversidade e localiza-se próxima a áreas de preservação ecológica. O Parque Nacional do Iguaçu e o Parque Nacional del Iguazú têm área de 250 mil hectares de floresta subtropical e fauna protegida. Faz-se necessário a expansão dos conhecimentos sobre cada espécie, na tentativa de estabelecer padrões de conduta para uma abordagem específica, estudar particularidades de espécies silvestres e diagnosticar doenças e intervalos de referência de variáveis fisiológicas, que auxiliarão na conservação destas espécies. As consequências negativas da urbanização e da invasão das atividades agropecuárias e o deslocamento de animais silvestres para espaços urbanos gera impactos ambientais. Há aumento de casuísta de atropelamentos e possibilidade destes animais atuarem como sentinelas, justificando a necessidade de estudos relacionados às doenças com potencial zoonótico, bem como das afecções clínico-cirúrgicas. O convênio dos docentes com a Itaipu Binacional e a proximidade da região com a Usina Hidrelétrica de Energia Baixo Iguaçu reafirma a importância da inserção de projetos que contemplem a área de animais silvestres neste Programa. Buscar-se-á definir aspectos biológicos, sanitários e conservacionistas dos animais silvestres. Com especial importância à fauna regional, serão tomadas decisões relacionadas à saúde única e bem-estar animal. Para isto, serão obtidas informações científicas sobre aspectos biológicos das diferentes espécies silvestres, com vistas à etologia de animais em vida livre e em cativeiro, ao bem-estar e enriquecimento ambiental e situações de risco ambiental regional. Serão objeto de pesquisa a morfologia, fisiologia, morfometria imaginológica, estudos anatomopatológicos e histopatológicos em animais silvestres de vida livre, em cativeiro ou vítimas de atropelamento. As análises laboratoriais contemplarão hematologia, bioquímica, imunologia, biologia molecular e metabolismo oxidativo de animais silvestres, bem como identificar os principais parasitos e agentes infecciosos nas espécies nativas da região. Serão conduzidos estudos de contenção farmacológica, controle da dor e de anestesia direcionados ao desenvolvimento e aplicação de técnicas de mínima invasão no diagnóstico e tratamento clínico e cirúrgico de afecções em animais silvestres. Serão realizados eventos em escolas de educação básica com vistas à promoção, valorização e preservação da fauna local. Os estudos permitirão a caracterização da fauna regional e a identificação de particularidades das diferentes espécies, além de fornecer subsídios aos órgãos de fiscalização e preservação da vida silvestre. As fragilidades identificadas fornecerão subsídios para estudos avançados dependentes de conhecimentos prévios dos aspectos biológicos, morfológicos e fisiológicos. Os dados obtidos possibilitarão a melhora das condições de saúde e bem-estar destas espécies. A socialização dessas informações junto à população regional contribuirá para a conscientização da importância da preservação da fauna silvestre.

Palavras-chave: Bem-estar animal. Enriquecimento ambiental. Fauna silvestre. Preservação.

Docente responsável: Gentil Ferreira Gonçalves

Docentes: Dalila Moter Benvegnú, Denise Maria Sousa de Mello, Fabiana Elias, Fabíola Dalmolin, Fagner Luiz da Costa Freitas, Gabrielle Coelho Freitas, Luciana Pereira Machado e Tatiana Champion.

 

Nome: Caracterização e Controle das Principais Doenças Metabólicas, Endócrinas, Carenciais e Tóxicas de Animais Domésticos

Linha de pesquisa: Saúde, Diagnóstico e Bem-estar Animal na Fronteira Sul.

Descrição: Os distúrbios metabólicos, tóxicos e carenciais são causas de prejuízo econômico na produção animal. Ademais, as doenças causadas por tóxicos podem ter impacto na saúde pública, devido ao risco de contaminação de produtos de origem animal. Por outro lado, em animais de companhia, as condutas nutricionais inadequadas aliadas ao sedentarismo e senescência, acarretam distúrbios metabólicos e endócrinos com consequências deletérias a saúde e bem-estar animal. O conhecimento das doenças metabólicas, endócrinas, carenciais e tóxicas na região é essencial para prevenção, correção das técnicas de manejo, domínio dos diagnósticos e minimização das consequências dessas afecções na saúde dos animais. O projeto visa diagnosticar e avaliar medidas de tratamento e de prevenção das principais doenças endócrinas, metabólicas, carenciais e tóxicas que acometem os animais de produção e de companhia. Serão avaliados distúrbios hormonais, tóxicos e carenciais que afetam o metabolismo proteico, lipídico, de carboidratos e dos principais minerais, além da caracterização das principais plantas tóxicas de interesse pecuário e quadros de intoxicação presentes na região. Também serão contempladas doenças relacionados a erros inatos do metabolismo. Serão utilizadas avaliações específicas cardiovasculares, respiratórias, neuromusculares, ortopédicas, imunológicas, ambientais e exames complementares. Dentre estes, serão incluídas avaliações nutricionais, bromatológicas, hormonais, mensurações de metabólitos sanguíneos, toxicológicos, farmacológicas, avaliações hematológicas, imunológicas, estresse oxidativo, técnicas de biologia molecular e exame necroscópico e histopatológico. Após a verificação das condutas de manejo dos animais e do diagnóstico das afecções metabólicas, endócrinas, carenciais e tóxicas, será realizada a socialização do conhecimento com a comunidade e com os órgãos públicos de controle sanitário, com vistas à implementação de boas práticas de manejo na criação e nos cuidados com os animais de companhia. Com este estudo espera-se conhecer o perfil metabólico dos animais criados na região, bem como diagnosticar as principais alterações metabólicas e endócrinas que incidem nos animais de produção e de companhia. Além disso, espera-se identificar e mapear a presença de plantas tóxicas e a ocorrência de intoxicações na Mesorregião Grande Fronteira do Mercosul (MGFM). A partir destes dados, espera-se a caracterização regional das enfermidades, assim como estabelecer medidas terapêuticas e preventivas eficientes, considerando as particularidades da MGFM.


Palavras-chave: Bioquímica. Endocrinologia. Metabolismo oxidativo. Nutrição. Toxicologia.

Docente responsável: Luciana Pereira Machado

Docentes: Dalila Moter Benvegnú, Fabiana Elias, Gentil Ferreira Gonçalves, Maiara Garcia Blagitz, Marcelo Falci Mota, Marta Lizandra do Rêgo Leal e Tatiana Champion.

 

Nome: Gerontologia Clínica e Experimental dos Animais Domésticos e Silvestre.

Linha de pesquisa: Saúde, Diagnóstico e Bem-estar Animal na Fronteira Sul

Descrição: A maior longevidade observada nos animais domésticos e silvestres de cativeiro está relacionada aos avanços da Medicina Veterinária, à valorização dos animais de companhia dentro das famílias e aos melhores cuidados com os animais silvestres em cativeiro. A longevidade necessita de acompanhamento para promover melhoria ou manutenção da saúde e qualidade de vida. O processo de envelhecimento é um evento biológico esperado e pode vir acompanhado de alterações patológicas, sobretudo crônico-degenerativas que podem ser agravadas por doenças concomitantes, estresse e condições ambientais. A gerontologia envolve um conhecimento multidisciplinar e interdisciplinar, uma vez que o envelhecimento pode acarretar distúrbios simultâneos de diferentes aparelhos e sistemas. Em humanos, a inter-relação entre envelhecimento, saúde e bem-estar está bem caracterizado e o envelhecimento saudável ocorre em associação ao desenvolvimento social, econômico e cultural. Por ser uma região com baixo índice de desenvolvimento humano, é possível que ocorram relações inversas entre a qualidade do envelhecimento e a saúde dos animais na Mesorregião Grande Fronteira do Mercosul. As consequências do envelhecimento patológico e sem acompanhamento médico-veterinário podem ser causa de abandono, negligência e consequências negativas na qualidade de vida, refletindo diretamente no bem-estar animal. Ademais, há carência de conhecimentos acerca da gerontologia em animais silvestres mantidos em cativeiro. Estudos nessa área podem propiciar qualidade de vida e longevidade de animais domésticos e silvestres. Em casos específicos, os animais domésticos poderão ser utilizados como modelos experimentais para estudos de envelhecimento em espécies silvestres e seres humanos. O projeto tem como objetivo estudar o processo de envelhecimento, retardar ou prevenir doenças, aumentar a longevidade dos animais, promover o envelhecimento saudável e extrapolar o conhecimento da gerontologia para espécies diversas. Serão estudadas as particularidades médicas de animais geriátricos com vistas ao estabelecimento de protocolos de prevenção, diagnóstico, tratamento e bem-estar na geriatria de animais domésticos e silvestres. Serão diferenciados aspectos clínicos e laboratoriais dos diferentes aparelhos e sistemas afetados pela senescência. Serão abordados estudos de diagnóstico e terapia de doenças do animal idoso, estresse, estresse oxidativo e dor, comportamento, bem-estar animal, interações medicamentosas e metabolismo de fármacos. Os estudos da gerontologia versarão sobre etologia, perfil hematológico, bioquímico e imunológico, processos degenerativos neuromusculares, oftálmicos, cardiovasculares, respiratórios, procedimentos de mínima invasão, terapias relacionadas à geriatria e suas inter-relações. A realização destes estudos permitirá o incremento do conhecimento científico na gerontologia veterinária com o objetivo de promoção de saúde e bem-estar com envelhecimento saudável. A partir do conhecimento prévio, serão aplicadas medidas de prevenção e diagnóstico precoce das doenças e possíveis aplicações com base na gerontologia experimental. Os resultados obtidos direcionarão a prática de campanhas educativas relacionadas aos cuidados do paciente idoso e ao uso indiscriminado de medicamentos como agravante na condição de envelhecimento. Especificamente em animais silvestres geriátricos, os resultados obtidos direcionarão a melhoria das condições de manejo, saúde e bem-estar nas situações de cativeiro.

Palavras-chave: Bem-estar animal. Envelhecimento. Modelo experimental. Saúde.

Docente responsável: Tatiana Champion

Docentes: Dalila Moter Benvegnú, Denise Maria Sousa de Mello, Fabíola Dalmolin, Fagner Luiz da Costa Freitas, Gabrielle Coelho Freitas, Gentil Ferreira Gonçalves, Luciana Pereira Machado e Valfredo Schlemper.

 

Nome: Diagnóstico Laboratorial de Doenças Transmissíveis em Animais Domésticos na Fronteira Sul

Linha de pesquisa: Saúde, Diagnóstico e Bem-estar Animal na Fronteira Sul

Descrição: A Fronteira Sul localiza-se próxima a regiões de limites territoriais entre Brasil, Argentina e Paraguai. Os fluxos populacionais em regiões fronteiriças favorecem a disseminação e o aumento da incidência de doenças, caracterizando estas áreas, eventualmente, como epicentros secundários de epidemias. As enfermidades de origem infecciosa e parasitária representam sérios problemas de saúde animal, tendo em vista o grande número de espécies envolvidas e as várias alterações orgânicas relacionadas. Em animais de produção, essas enfermidades são responsáveis por mortalidade e redução do potencial zootécnico, ocasionando considerável impacto econômico, sobretudo em propriedades de Agricultura Familiar. Por sua vez, em animais de companhia, as doenças infecciosas e parasitárias geralmente se relacionam ao baixo índice socioeconômico e cultural, característico da Mesorregião Grande Fronteira do Mercosul. A problemática pode ser agravada substancialmente no que se refere às enfermidades com potencial zoonótico e àquelas transmitidas por vetores. As doenças emergentes e reemergentes merecem atenção especial no que tange ao seu diagnóstico e expansão, a fim de antecipar situações de risco. O objetivo do projeto é produzir conhecimento científico sobre doenças transmissíveis em animais domésticos, mapeando sua ocorrência, características peculiares, vetores e potencialidades. Por meio da obtenção de amostras da população animal da região, serão identificados e caracterizados agentes infecciosos e parasitários, além da avaliação hematológica, bioquímica, imunológica e coproparasitológica. Diagnósticos isolados e estudos epidemiológicos por meio de inquéritos, investigações ou levantamentos permitirão o mapeamento e correlações entre as enfermidades, vetores e hábitos. Serão realizados eventos em escolas de educação básica com vistas à prevenção das zoonoses identificadas nos estudos. Os resultados destes estudos possibilitarão caracterizar o perfil epidemiológico e a ocorrência de doenças na região, disponibilizando dados científicos para implementação e aprimoramento de medidas de controle e prevenção. O diagnóstico das doenças transmissíveis permitirá criação de estratégias para redução dos prejuízos econômicos em animais de produção e controle de zoonoses, visando à saúde única e às informações sanitárias em regiões de fronteira, viabilizando medidas preventivas específicas. Ademais, o diagnóstico de doenças emergentes e reemergentes poderá auxiliar na prevenção da ocorrência de surtos e epidemias que causem risco à saúde animal e humana. Espera-se a disseminação do conhecimento por meio da socialização dos dados e das ações com a inserção da pós-graduação na educação básica e comunitária. posta de Programa/Curso Novo

Palavras-chave: Doenças infectocontagiosas. Medicina veterinária preventiva. Saúde única. Zoonoses.

Docente responsável: Fagner Luiz da Costa Freitas

Docentes: Fabiana Elias, Luciana Bignardi de Soares Brisola, Luciana Pereira Machado, Maiara Garcia Blagitz e Tatiana Champion.

 

Nome: Avaliação de Plantas Forrageiras e Alimentos Alternativos em Sistemas Sustentáveis de Produção Animal

Linha de Pesquisa: Produção Animal Sustentável e Agricultura Familiar na Fronteira Sul.

Descrição: A Mesorregião Grande Fronteira do Mercosul apresenta sobrelevado viés agrícola, caracterizado pela Agricultura Familiar, constituindo-se no alicerce econômico e social de sua população. As pastagens se constituem na base alimentar dos sistemas regionais para a produção bovina, especialmente a leiteira. O decurso disso é a intensificação do manejo de pastagens mediante uso de variedades selecionadas, baseada na estratégia convencional de produção (monocultura). Esse modelo de produção necessita do emprego de insumos químicos para aportar nutrientes e controlar insetos-praga, responsáveis, cada vez mais, pela degradação dos pastos. Ademais, a suplementação de bovinos e monogástricos a partir de commodities, especialmente soja e milho, é prática consolidada. Essa modalidade de alimentação coloca em risco a sustentabilidade da pequena produção, de cunho familiar, pois diversos fatores externos e mercadológicos podem comprometer o abastecimento de determinado produto, bem como os custos de produção. O objetivo do projeto é estudar as principais espécies forrageiras e seus consórcios e o emprego de alimentos alternativos a commodities, com a finalidade de garantir produtividade animal e renda aos agricultores, de forma mais sustentável e integrada aos ecossistemas naturais. Serão avaliadas viabilidades econômicas, produtivas e nutricionais de sistemas forrageiros consorciados com leguminosas e gramíneas. As avaliações das pastagens e dos sistemas forrageiros serão realizadas em vários anos/safras agrícolas, a partir de cortes periódicos nas pastagens e pastejo com ruminantes, verificando, a cada evento, o efeito da fixação biológica do nitrogênio promovido por bactérias associadas às raízes dessas plantas. O estudo da viabilidade técnica e econômica do emprego de alimentos alternativos sobre a produção animal também será realizado. Dentre os parâmetros considerados, destacam-se a produtividade dos alimentos, épocas de safra e entresafra, planejamento para cultivo e uso na alimentação, oportunidades de comercialização, valor nutricional dos alimentos, fatores tóxicos e antinutricionais associados, palatabilidade, desempenho e rendimento animal, dentre outros. Os animais serão avaliados por seu desempenho zootécnico, reprodutivo, comportamental e bem-estar em pastagens e/ou alimentados com ingredientes alternativos, a partir do estudo das principais variáveis descritas em literatura. No que tange à avaliação de pastagens, espera-se despertar o foco para os sistemas forrageiros consorciados, com emprego de leguminosas, com vistas a reduzir a dependência dos agricultores familiares às fontes externas de nutrientes em pastagens, especialmente o nitrogênio, devido à fixação biológica, garantindo maior sustentabilidade econômica, produtiva e ambiental. Espera-se, quanto ao uso de alimentos alternativos, imbricar nas práticas agropecuárias a importância da avaliação e emprego de ingredientes de elevada qualidade que garantam produtividade e renda, com reduzido custo e sustentáveis do ponto de vista econômico e mercadológico.

Palavras-chave: Agricultura Familiar. Avaliação de alimentos. Forrageiras tropicais. Leguminosas. Valor nutricional de alimentos.

Docente responsável: Fernando Reimann Skonieski.

Docentes: Denise Maria Sousa de Mello, Fagner Luiz da Costa Freitas, Gilmar Roberto Meinerz, Juliano César Dias e Marcelo Falci Mota.

 

Nome: Produção Sustentável de Leite na Agricultura Familiar
.

Linha de Pesquisa: Produção Animal Sustentável e Agricultura Familiar na Fronteira Sul.

Descrição: O Estado do Paraná apresenta crescimento expressivo na cadeia produtiva do leite, concentrando aproximadamente 48,5% dos produtores e 53% da produção nacional. A região Sudoeste do Paraná destaca-se por ser a maior bacia leiteira do Estado, com cerca de 1,09 bilhões de litros de leite produzidos. Neste contexto, a pecuária leiteira oriunda da mão de obra familiar é encontrada em 35% das unidades produtoras, correspondendo a 52% do valor bruto de produção total. Diante deste cenário, os desafios para o fortalecimento na produção leiteira familiar baseiam-se no desenvolvimento de tecnologias adequadas à realidade da produção familiar, considerando, principalmente, o baixo potencial financeiro e a particularidade do tipo de mão de obra envolvida. Os objetivos do projeto serão desenvolver estudos e pesquisas na produção leiteira, voltados ao manejo sustentável, bem-estar e ambiência, manejo dos rebanhos, bem como à viabilidade econômica da atividade. Serão investigadas estratégias alternativas sustentáveis de manejo com estímulo ao empreendedorismo e à inovação, aplicáveis à realidade da produção de leite na Agricultura Familiar. Ainda, fomentar o desenvolvimento do cooperativismo como estratégia de incremento produtivo e reprodutivo da atividade leiteira. Para tanto, avaliar-se-ão a produção leiteira, dados zootécnicos e de manejo, bem como o uso de biotécnicas reprodutivas, frente às diferentes técnicas de manejo (tradicionais e/ou alternativas), perfil genético do rebanho, ambiente de criação e/ou fatores externos, com vistas à produção sustentável, bem-estar animal e melhoria da qualidade de vida do produtor familiar. Espera-se com os projetos desenvolvidos, inserir o bem-estar e a sustentabilidade na produção leiteira oriunda da Agricultura Familiar na região da Fronteira Sul. Ademais, conhecer o perfil da produção regional e desenvolver estratégias empreendedoras e sustentáveis, oriundas de conhecimentos e inovações científicas, a fim de incrementar o desenvolvimento socioeconômico. Por fim, promover a socialização do conhecimento produzido.

Palavras-chave: Comportamento animal. Bem-estar animal. Manejo reprodutivo. Manejo sanitário.

Docente responsável: Marcelo Falci Mota

Docentes: Denise Maria Sousa de Mello, Fabiana Elias, Fernando Reimann Skonieski, Gilmar Roberto Meinerz e Juliano César Dias.

 

Nome: Avaliação dos Produtos de Origem Animal Oriundos da Agricultura Familiar.

Linha de Pesquisa: Produção Animal Sustentável e Agricultura Familiar na Fronteira Sul.

Descrição: A Agricultura Familiar produz grande parte dos alimentos consumidos pela população e a presença desta atividade é notória, especialmente na região Sul do Brasil. Os sistemas de produção de leite e derivados, carnes e embutidos, aves e ovos, pescados e mel envolvem aspectos culturais e tradicionais, que são transmitidos e aperfeiçoados entre as gerações. A Agricultura Familiar vem se consolidando e possui apoio governamental crescente, por meio de programas que determinam a aquisição de alimentos provenientes da Agricultura Familiar, conforme a Lei no 11.947, de 16 de junho de 2009. Por conseguinte, os produtores da Agricultura Familiar possuem responsabilidade em produzir alimentos higiênicos e sanitariamente de acordo com as legislações vigentes, uma vez que todos os produtos de origem animal necessitam de avaliações físicas, químicas e microbiológicas. O objetivo do presente projeto é intensificar e criar trabalhos e pesquisas voltados para a produção familiar com produtos de origem animal, a fim de agregar valor ao produto final, promovendo as práticas de educação sanitária e as inspeções segundo as legislações vigentes no país. Mapear todos os processos de produção dos produtos de origem animal da Agricultura Familiar, passando por transporte, transformação, manipulação, armazenamento e distribuição de carne, leite, pescado, ovos, mel e seus derivados. Serão utilizadas metodologias conforme orientações dos órgãos governamentais, que serão estudadas, desenvolvidas e atualizadas no âmbito científico por meio de pesquisas. Serão objetos de estudo metodologias que permitam uma melhor eficiência no combate à fraude e presença de resíduos químicos, antibióticos e pesticidas nos produtos de origem animal; metodologias que permitam diagnósticos de rebanhos, por meio de pesquisas bacteriológicas, virológicas e parasitológicas; controle dos produtos de origem animal por meio de análise físico- químicas e microbiológicas. Como consequência, espera-se aplicar conhecimentos científicos, bem como a segurança alimentar da população que adquire e consome produtos de origem animal produzidos pela Agricultura Familiar, visando a produção de alimentos embasada nas Boas Práticas de Produção (BPP). Ainda, promoção de campanhas de educação sanitária para conscientização e adequação das técnicas de produção para que este conhecimento familiar seja associado ao conhecimento científico e inovador e transmitido para as gerações futuras.

Palavras-chave: Agroindústria Familiar. Sanidade animal. Seguridade alimentar. Qualidade de produtos.

Docente responsável: Juliano César Dias

Docentes: Fabiana Elias, Fagner Luiz da Costa Freitas, Fernando Reimann Skonieski, Gilmar Roberto Meinerz, Maiara Garcia Blagitz e Marcelo Falci Mota.

 

Nome: Sistemas Integrados de Produção Agropecuária

Linha de Pesquisa: Produção Animal Sustentável e Agricultura Familiar na Fronteira Sul

Descrição: Os sistemas integrados de produção agropecuária, reconhecidos pela Food Agriculture Organization (FAO) como alternativa para intensificação sustentável, reúnem uma gama de atributos raros em sistemas de produção de alimentos. Esses sistemas promovem melhor utilização dos recursos naturais disponíveis e assim maximizam os ciclos de plantas, de animais e de seus resíduos. No Brasil, estes sistemas inicialmente foram constituídos pela integração lavoura-pecuária e atualmente incorporados em sistemas florestais, compondo a integração-lavoura-pecuária-floresta. A estratégia visa integrar atividades agrícolas, pecuárias e florestais realizadas na mesma área, em cultivo consorciado, em sucessão ou rotacionado. Além disso, busca efeitos sinérgicos entre os componentes do agroecossistema, contemplando a adequação ambiental, a valorização do homem e a viabilidade econômica. No âmbito mundial, o componente animal abrange peixes, patos, frangos, perus, avestruzes, coelhos, suínos, equinos, lhamas, caprinos, ovinos, búfalos e bovinos. O projeto tem o objetivo de estudar os sistemas integrados de produção agropecuária, no que tange à produção animal, avaliando a ambiência e bem-estar, o desempenho zootécnico e reprodutivo das espécies de interesse regionais. O desempenho zootécnico será avaliado por medidas diretas de desempenho em produção leiteira, carne e outros produtos de origem animal, de acordo com o estado fisiológico dos animais, idade e época do ano. A eficiência reprodutiva será determinada em machos e fêmeas, por meio de exames andrológicos e ginecológicos, intervalo de partos, idade a puberdade, manifestação e repetição de estros, entre outros. Ademais, o comportamento de ingesta e hierárquico será determinado nos diferentes sistemas de produção. A ambiência e o bem-estar serão estimados com desenvolvimento de metodologias inovadoras aliadas às formas clássicas de avaliação como temperatura retal, temperatura da pele, frequência respiratória, frequência cardíaca, temperatura ambiente, umidade relativa do ar, incidência de radiação solar, índice de sombreamento, temperatura da água, dentre outros fatores. Espera-se que a partir dos estudos realizados, as práticas regionais (convencionais) de produção animal possam ser rediscutidas e reavaliadas, com o propósito de promover melhorias em relação ao bem-estar animal, eficiência produtiva e econômica dos sistemas, garantindo maior sustentabilidade aos agricultores familiares e segurança alimentar à população.

Palavras-chave: Agroecossistema. Ambiência. Bem-estar animal. Produção animal. Silvipastoril.

Docente responsável: Gilmar Roberto Meinerz

Docentes: Denise Maria Sousa de Mello, Fagner Luiz da Costa Freitas, Fernando Reimann Skonieski, Juliano César Dias e Marcelo Falci Mota.