Campus Realeza traz exposição fotográfica sobre agricultura familiar no Brasil e na Alemanha

Publicado em: 05 de abril de 2016 09h04min / Atualizado em: 11 de janeiro de 2017 09h01min

Imagens do cotidiano da agricultura familiar do Sul do Brasil e da Alemanha compõem a exposição fotográfica “Eu vejo algo que você não vê”, que está presente na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Realeza. O trabalho do fotógrafo alemão Thomas Hager foi apresentado nesta segunda-feira (04), na noite de abertura da exposição. O acervo reúne 76 imagens que ficarão expostas até o dia 09 de abril, no Bloco A.

Durante a abertura, o vice-reitor da UFFS, professor Antônio Inácio Andrioli, apresentou a proposta do trabalho de Thomas Hager. O fotógrafo é um ambientalista que defende a agricultura familiar como alternativa aos meios de produção agroindustriais. "Thomas Hager busca fazer um paralelo entre os dois países, pois ambos apresentam questionamentos sobre a agricultura atual e buscam alternativas mais sustentáveis de produção", resumiu.

Segundo Andrioli, além da conscientização sobre a importância da agricultura familiar, o projeto busca a criação de um acervo fotográfico e textual sobre o tema, o que deverá fomentar novos projetos e reflexões. "Foram captadas milhares de fotografias, as quais serão utilizadas para a produção de um livro e um site, futuramente", comentou.

A exposição despertou o olhar do agricultor Paulo Roberto Czekalski, que é presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Pérola do Oeste. "É muito interessante poder visualizar a realidade de outros países, assim como da nossa própria região", destacou. Para a estudante de Medicina Veterinária, Dandara Alves Cardoso, as imagens chamam a atenção. "As fotos são muito bonitas, pois mostram a essência do trabalho no campo", explicou.

Sobre a exposição fotográfica “Eu vejo algo que você não vê”

Como parte de um projeto de cultura da UFFS denominado Agricultura Familiar – Brasil e Alemanha, as fotografias foram captadas por Thomas Hager no mês de agosto de 2015, na região Sul da Alemanha, e nos meses de fevereiro e março de 2016 em localidades rurais próximas de Chapecó (SC), Cerro Largo (RS) e Realeza (PR). O projeto conta ainda com o apoio da Fetraf/PR e do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Segundo o fotógrafo alemão, a intenção do projeto é a conscientização sobre a situação da agricultura nos dois países. "Os conceitos de sustentabilidade e de agricultura familiar parecem ser, no momento, a única arma e possibilidade de enfrentar os males que a agroquímica e suas fazendas de produção agroindustrial causaram à natureza, aos animais e aos seres humanos, além de oferecer uma resistência ao aquecimento global", destaca.

 Sobre Thomas Hager

Thomas Hager é fotógrafo, cenógrafo e técnico de audiovisual. É mestre em Designer Gráfico e Pintura, orientado pelo professor Robin Page, na Academia de Arte de Munique. Atualmente é professor de Fotografia no Departamento de Tecnologia de Mídia, na Universidade de Deggendorf.

Foi vencedor, duas vezes, do prêmio Fortunat Weigl der GEW Ebersberg (Gewerkschaft für Erziehung und Wissenschaft – Sindicato da Educação e Ciência), “Prêmio para a Democracia Viva", com a Associação Youth Initiative Grafing JIG (co-fundador da associação) e o Centro Cultural EBE.