Centro de Referência em Direitos Humanos/UFFS incorpora ações de igualdade racial
O órgão passa a ser denominado Centro de Referência em Direitos Humanos e Igualdade Racial (CRDHIR) Marcelino Chiarello/UFFS

Diretoria de Comunicação

Publicado em: 12 de janeiro de 2017 01h01min / Atualizado em: 02 de fevereiro de 2017 09h02min

O Centro de Referência em Direitos Humanos/UFFS aprovou, no final do ano de 2015, projeto junto à Secretaria Especial de Promoção de Políticas de Igualdade Racial, ligada ao Ministério da Justiça. Com isso, o órgão passa a ser denominado Centro de Referência em Direitos Humanos e Igualdade Racial (CRDHIR) Marcelino Chiarello/UFFS.

O projeto prevê o repasse de R$ 250.000,00 para implemento de várias ações específicas de igualdade racial nas regiões de abrangência dos seis campi da UFFS, num período de 18 meses. Parte do montante será utilizado para viabilizar a manutenção dos serviços prestados pelo Centro, bem como para o pagamento de bolsas de estágio para estudantes de Graduação da UFFS.

A proposição é oferecer pelo menos uma bolsa de estágio para atuar junto ao programa PROHAITI e outras seis para produção de material bilíngue destinado aos estudantes indígenas. Além destas, está previsto mais quatro bolsas para instrutores de Língua Portuguesa para estrangeiros. “A ideia é a de que estes estagiários desempenhem o papel de integradores culturais e linguísticos”, informa o coordenador do CRDHIR, Tulio Vidor, para quem o aporte de recursos significa “uma melhora considerável na estrutura para atuar mais em sintonia com as comunidades”.

No decorrer dos 18 meses de vigência do projeto ainda estão planejadas outras iniciativas, como a publicação de dois livros sobre as temáticas direitos humanos e sobre igualdade racial. No planejamento ainda duas formações com trabalhadores ligados à rede de atendimento (saúde, educação, assistência social e lideranças comunitárias), duas formações envolvendo igualdade racial e duas formações com o tema de direitos humanos. Estas atividades serão abertas à participação da comunidade regional.

Atividades

Durante o ano de 2016, o CRDH/UFFS disponibilizou uma série de atividades à comunidade universitária. Entre elas, orientação, preenchimento de formulários e coleta de impressões digitais, necessárias ao encaminhamento dos processos de obtenção de passaportes por cidadãos haitianos. Durante o ano de 2016 o órgão efetuou a entrega de 102 documentos, além da abertura de cerca de 100 processos. Durante este período também aconteceram ações na área de apoio ao combate dos casos de criminalização dos movimentos sociais, principalmente questões sobre o uso da terra e da água, o reconhecimento dos territórios e da cidadania indígena e o cumprimento dos direitos trabalhistas e de organização das populações urbanas.

Entre as atividades pontuais, pode-se citar a conclusão do “Projeto Ação Educativa em Direitos Humanos” (ao todo 11 encontros mensais abordando temas ligados aos direitos humanos), o lançamento do livro “Quem Matou Marcelino?”, de Daniel Giovanaz, a organização de três oficinas na região sobre direitos trabalhistas para imigrantes, em Xaxim, Chapecó e Nova Erechim, palestras diversas contemplando as temáticas estupro marital, violência doméstica, liberdade e sexualidade, maioridade penal, além de ações de integração e combate envolvendo temas como preconceito da população imigrante negra e combate à LGBTfobia nas suas diversas manifestações.

De acordo com Vidor, o CRDH realizou em torno de 1000 atendimentos presenciais durante o decorrer de 2016, entre eles “a recepção de diversos grupos de estudantes dos ensinos Médio e Superior para pesquisas e esclarecimentos acerca do trabalho do CRDH realizado na região”.