Mestrado em Educação entrega diplomas para a primeira turma de formandos

Publicado em: 06 de novembro de 2015 00h11min / Atualizado em: 06 de novembro de 2015 00h11min

A noite de quinta-feira (5) foi de grande teor simbólico e alegria para a primeira turma de concluintes do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da UFFS. A solenidade de entrega dos diplomas para os mestres aconteceu no auditório da Unidade Bom Pastor do Campus Chapecó com a presença de gestores da UFFS, docentes do Programa e familiares e amigos dos diplomados.

O Programa de Pós-Graduação em Educação foi o segundo curso de mestrado da UFFS recomendado pela Capes, em 2012. Dos 16 concluintes desta primeira turma, 12 receberam o diploma na noite de quinta-feira. Entre eles estava Rodrigo Garcez, que defendeu recentemente o projeto “Albabetização e música: um encontro na linguagem”. Rodrigo é morador de Erechim, no Rio Grande do Sul, e tem a música como profissão.

“O que me chamou a atenção, entre outros fatores, foi a qualidade dos docentes e a profundidade das discussões empreendidas no decorrer do curso”, avalia. O mestrado era algo que fazia parte do projeto de vida de Rodrigo já há algum tempo, mas a oportunidade chegou com a oferta no Campus Chapecó. “Agora ficou mais acessível, senão era necessário percorrer cerca de quinhentos quilômetros”, pondera.

Para os servidores da UFFS o mestrado também representa uma boa oportunidade de qualificação e aprendizagem. Quando o curso foi aprovado, Rosiléia Lucia Nierótka, servidora técnica-administrativa no Setor de Assuntos Estudantis do Campus Chapecó, não teve dúvidas em participar do processo de seleção. Com graduação em Serviço Social, decidiu desenvolver sua pesquisa com o tema “Políticas de acesso e ações afirmativas na educação superior: a experiência da UFFS”.

Para Rosiléia, o mestrado está sendo um grande incentivo para continuar pesquisando, além de representar um fator de transformações pessoais e profissionais. “Depois desta experiência, a gente tem outro olhar sobre a realidade investigada”, diz Nierótka, mencionando também a importância que teve o afastamento integral proporcionado pelo Plano de Educação Formal (Pleduca) da UFFS para a qualidade da pesquisa.