Reitor em exercício participa de debate sobre assistência estudantil na Andifes

Publicado em: 19 de novembro de 2015 00h11min / Atualizado em: 19 de novembro de 2015 00h11min

Durante a quarta-feira (18), o reitor da UFFS em exercício, Antônio Inácio Andrioli, participou, em São Paulo, de Seminário promovido pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES). O evento, com foco na política de assistência estudantil implementada pelo governo federal, foi motivado por uma pesquisa realizada junto às universidades federais, a qual buscou identificar o perfil dos estudantes e o da política institucional desenvolvida nas instituições.

Na pauta central do encontro, discutiu-se a construção de critérios que permitam uma distribuição mais adequada dos recursos, levando-se em conta as especificidades de cada região e as necessidades do perfil de estudantes das universidades. Representou a UFFS no encontro, além do reitor em exercício, o pró-reitor de Assuntos Estudantis, professor Marcelo Recktenwald. A Secretaria de Educação Superior do MEC esteve representada pelo professor Vicente Paula de Almeida Júnior, cedido pela UFFS ao Ministério da Educação.

Conforme Andrioli, o assunto interessa bastante à comunidade acadêmica da UFFS, “já que 90% dos estudantes são oriundos de escolas públicas, fato que tem sido destacado em nível nacional, em especial pelo seu processo seletivo diferenciado”. Para o reitor em exercício, eventos que discutam a assistência estudantil são bastante relevantes neste momento, levando-se em consideração que “com a expansão do ensino superior brasileiro focada na interiorização das instituições públicas e a implantação da Lei de Cotas ocorreu uma mudança na composição social das universidades, aumentando a importância da assistência estudantil”.

Na análise de Andrioli, “os recursos destinados pelo governo federal às universidades têm aumentado progressivamente e superam em muito o número de novas matrículas a cada ano. Por isso, se torna necessário avaliar esse investimento, com a criação de indicadores que permitam identificar a relação das políticas desenvolvidas com o desempenho acadêmico dos estudantes”.