UFFS aprova política de acesso e permanência para servidores e estudantes com deficiência

Publicado em: 01 de abril de 2015 09h04min / Atualizado em: 10 de janeiro de 2017 15h01min

A Câmara de Graduação do Conselho Universitário da UFFS aprovou recentemente a Política de Acesso e Permanência da Pessoa com Deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e Altas Habilidades/Superdotação. A Resolução nº 4/2015 – CONSUNI/CGRAD visa balizar as ações da UFFS daqui em diante, levando-se em consideração o respeito à diferença e a ampliação de oportunidades para ingresso e permanência nos cursos de graduação e pós-graduação, e também para ingresso e permanência dos servidores na Instituição.

De acordo com o documento, o ingresso dos estudantes de graduação com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação nos cursos de graduação será regido pela Política de Ingresso vigente na UFFS. Já para os cursos de pós-graduação (especialização e mestrado) fica reservada uma das vagas ofertadas para candidatos com deficiência classificados no processo seletivo. A Política também assegura um percentual de 5% do total de vagas para cada cargo/área/campus nos concursos para servidores.

Com a aprovação da Política, o Núcleo de Acessibilidade da UFFS, ligado à Diretoria de Políticas de Graduação (DPGRAD), e os setores de acessibilidade instalados nos campi vão ganhar um novo impulso. Atualmente estes setores dispõem de equipes multidisciplinares que desenvolvem ações para encaminhar e resolver as demandas apresentadas nos campi, além de orientar e prestar os serviços necessários, como disponibilização de equipamentos de tecnologia assistiva e mobiliários especiais. Conforme dados fornecidos pela DPGRAD, no momento a UFFS tem 31 estudantes e 16 servidores com algum tipo de deficiência, seja visual, física ou auditiva.

O diretor de Políticas de Graduação da UFFS, Élsio Corá, aponta ainda que a Política prevê formações específicas para sensibilização da comunidade universitária, bem como cursos de formação e convênios com entidades que prestam serviços a pessoas com deficiências. “A UFFS acaba de aprovar um texto-base que vai nortear uma série de ações que pretendem assegurar direitos e oportunidades. A cada ano de existência da UFFS sente-se a necessidade de ampliação dessas orientações”, salienta Corá.