UFFS conclui curso de formação política e econômica para jovens agricultores

Diretoria de Comunicação

Publicado em: 09 de novembro de 2015 00h11min / Atualizado em: 09 de novembro de 2015 00h11min

Durante os dias 5 e 6, jovens agricultores dos três estados da Região Sul, participantes do Curso de Formação de Jovens em Agricultura Sustentável, Gestão e Inovação Tecnológica, estiveram reunidos no Campus Chapecó para o Seminário Final de Avaliação. O curso de Extensão da UFFS foi em parceria com a Fetraf-Sul e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

O Seminário de Avaliação foi composto de apresentação de resultados, trabalhos em grupo e socialização, visita a uma experiência de turismo rural e painel com dirigentes das entidades parceiras, além da entrega de certificados aos 74 jovens formandos. O curso surgiu de uma demanda apresentada num congresso da juventude promovido pela Fetraf-Sul, em Concórdia, no ano de 2011. Depois de aprovado pelo MDA, o projeto iniciou em 2013 nos três estados do Sul, com previsão de realização de 12 etapas regionais em cada um dos estados e outras 12 etapas nas localidades de origem dos participantes.

Nestes encontros locais, os jovens servem como replicadores das informações obtidas durante o curso. Para o coordenador geral do projeto, professor da UFFS Humberto José da Rocha, “a intenção do projeto é propiciar a estes jovens formação que possibilite capacidade de análise política e econômica para que consigam visualizar em que estrutura de mercado eles poderão permanecer”. Para Rocha “é importante o entendimento destas dimensões para que possam tornar-se uma liderança em suas comunidades”.

Rui Valença, da Fetraf-Sul, ressalta que “este formato de curso é uma nova forma de formação que a Federação está adotando com o objetivo de pensar a sucessão nas propriedades e também a questão das lideranças em entidades ligadas à agricultura familiar, aos sindicatos e às cooperativas”. Na opinião de Valença, “também foi importante o aprendizado que se construiu e que está sendo replicado para outras universidades do Brasil”. O vice-reitor da UFFS, Antônio Andrioli, segue na mesma direção ao ressaltar que o “pioneirismo em relação a este tipo de projeto, atendendo a demanda trazida pelos movimentos sociais, coloca a UFFS num cenário nacional como uma das poucas instituições públicas que consegue atender a comunidade regional em sua especificidade”.

Durante a tarde de sexta-feira (6), o auditório do Bloco A do Campus Chapecó ficou lotado com a presença de amigos e familiares para a entrega dos certificados. A satisfação do curso concluído estava estampado no rosto dos jovens, entre eles Taís Moi, 18 anos, moradora de Barra Funda (RS), onde a família trabalha com a produção de leite. Taís considerou "ótimo" o curso e agora diz que “tem consciência sobre as consequências do capitalismo e do agronegócio para a vida da família e da sociedade. Para o futuro, ela pensa em cursar Agronomia na UFFS, voltar para o campo e aplicar os conhecimentos na propriedade da família.

Para o jovem agricultor Reinaldo de Souza, “o curso foi muito além dos movimentos sociais, com muita informações que poderemos utilizar na nossa propriedade, voltada à agroecologia e com ênfase na permacultura”. Reinaldo diz que pretende permanecer na propriedade da família, já que “o meu espaço de ação é ali, onde tenho mais conexão e com aquilo que acredito. O diálogo com outras pessoas para repassar as informações é importante e um grande desafio”.