Projeto de extensão da UFFS – Campus Erechim chama a atenção para preservação do patrimônio

Publicado em: 10 de julho de 2013 13h07min / Atualizado em: 06 de janeiro de 2017 10h01min

Edificações históricas de Erechim foram palco de uma ação inspirada no movimento mundial conhecido como "Exorcismo Urbano", promovida pelo projeto de extensão “Arquitetura Discutida e Vivida: experimentações entre o teórico e o real - Grupo Viver AU”, em desenvolvimento na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) - Campus Erechim. No sábado (6), estudantes de diferentes cursos estiveram na ferroviária, localizada próximo ao terminal de ônibus urbanos, e em outras edificações de interesse patrimonial para realizar, através da fotografia e da performance, o 'exorcismo' desses espaços que hoje estão abandonados.

Com máscaras e outros acessórios, os participantes buscaram interferir, sem alterar o espaço, e tendo como resultado o instante fotografado. A proposta do "Exorcismo Urbano" é provocar o olhar para lugares esquecidos. Conforme o coordenador do projeto de extensão, professor do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFFS – CampusErechim, Murad Jorge Mussi Vaz, a atividade, inspirada nesse movimento que se desenvolve em vários países, chama a atenção para a questão da preservação do patrimônio, pois desvenda espaços que têm importância histórica/cultural e que atualmente estão abandonados.

Mais atividades

Outras duas atividades também foram realizadas pelo Grupo Viver AU na última semana. Na quinta-feira (4) foi exibido e debatido o filme “Sonhos”, de Akira Kurosawa. A atividade aconteceu no Auditório da UFFS – CampusErechim. Os debatedores convidados foram os professores da UFFS Gerson Fraga e Atílio Butturi Jr.

Na sexta-feira (5) aconteceu a atividade “Ferrovia: a memória através dos relatos”, no Lar dos Velhinhos. A proposta foi de exibir um documentário realizado sobre a ferrovia local e, posteriormente, colher relatos dos moradores do Lar sobre a influência dos trens no cotidiano de Erechim.