Editora UFFS


 

Extensão universitária na UFFS: trajetórias, alcances e desafios  


Extensão universitária na UFFS:
trajetórias, alcances e desafios
Organizadores:
Émerson Neves da Silva
Solange Todero Von Onçay

 

Conhecimento em Rede: desenvolvimento, cooperação e integração regional em território de fronteira
Organizadores:
Andréia Fröhlich Justen
Edemar Rotta
Ivann Carlos Lago
Micheli dos Santos



Imigração Italiana em Santa Catarina e no Paraná:
fontes diplomáticas italianas (1875-1927).
José Carlos Radin

 


Aconteceu de verdade: lendas urbanas da UFFS

Organizador: Saulo Gomes Thimóteo



Ações afirmativas na educação superior: a experiência da Universidade Federal da Fronteira Sul

Joviles Vitório Trevisol
Rosileia Lucia Nierotka



Macunaíma:
 o herói sem nenhum caráter
Mário de Andrade
Organizadores: Miguel Sanches Neto e Silvana Oliveira

  

Paisagem e Socionatureza: 
olhares geográfico-filosóficos
Reginaldo José de Souza



Mas, afinal, para quê, então, filosofia?
 Uma leitura do Górgias de Platão
Fausto Dos Santos Amaral Filho

 


Abastecimento Alimentar: redes alternativas e mercados institucionais

Carla Rosane Paz Arruda Teo
José Giacomo Baccarin
Julian Perez-Cassarino
Rozane Marcia Triches



O modelo de desenvolvimento brasileiro das primeiras décadas do século XXI: aportes para o debate
Edemar Rotta
Herton Castigloni
Neusa Rossini

    ALGUNS PROGRAMAS DE LEITURA DISPONÍVEIS

    Para ler ePUB no computador:
    Azardi - https://bit.ly/1fpIBsV

    Adobe - https://adobe.ly/2ybMUXO

    Para ler ePUB em celular ou tablet:

    Google Play Livros
    iBooks

    Para ler MOBI em computador, celular ou tablet:
    Kindle - https://amzn.to/1E6f7s6

 


 

 

Movimentos e lutas sociais pela terra no sul do Brasil: questões contemporâneas

João Carlos Tedesco

Jonas José Seminotti

Humberto José da Rocha

 

 Dicionário histórico-social do Oeste catarinense

 

Gentil Corazza

José Carlos Radin

 

 História Ambiental e Migrações Diálogos

História ambiental e migrações: diálogos

Eunice Sueli Nodari

Marcos Gerhardt

Samira Peruchi Moretto

 

Tecnologia e o Mundo da Vida: do Jardim à Terra

 

Don Ihde

Tradução Maurício Bozatski

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Geografias da "Fronteira Sul" - Construindo e compartilhando experiências

 Organizadoras: Juçara Spinelli e Kátia Kellem da Rosa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Soja Orgânica Versus Soja Transgênica: um estudo sobre tecnologia e agricultura familiar no noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Autor: Antônio Inácio Andrioli

 História da Fronteira Sul

Organizadores: José Carlos Radin, Delmir Valentini e Paulo A. Zarth

   

 


 

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

       ALGUNS PROGRAMAS DE LEITURA DISPONÍVEIS

       Para ler ePUB no computador:
       Azardi - https://bit.ly/1fpIBsV

       Adobe - https://adobe.ly/2ybMUXO

       Para ler ePUB em celular ou tablet:

       Google Play Livros
       iBooks

       Para ler MOBI em computador, celular ou tablet:
       Kindle - https://amzn.to/1E6f7s6


A Editora UFFS, órgão suplementar vinculado ao Gabinete do Reitor da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), tem como objetivo a edição e a divulgação de obras de natureza acadêmica, artística e didático-pedagógica, avaliadas por pareceristas especializados e aprovadas pelo Conselho Editorial. As obras publicadas são consideradas relevantes para a difusão do conhecimento, o desenvolvimento cultural e a promoção da cidadania, contribuindo com a qualificação do ensino (Graduação e Pós-Graduação), da Pesquisa, da Extensão e da Cultura da UFFS.

 

Ela edita prioritariamente obras em formato digital, e-books nos formatos e-Pub, Mobi e PDF, visando à economia dos recursos públicos e naturais envolvidos no processo editorial. As obras poderão ser impressas apenas quando os autores dispuserem de financiamento para tal fim, desde que previsto em contrato, mantendo-se, neste caso, também a disponibilidade em formato digital.

O PDF apresenta layout fixo e pode ser lido em qualquer aparelho que tenha instalado o Adobe Acrobat ou outro leitor desse formato de arquivo. 

O e-Pub e o Mobi apresentam layout dinâmico, interativo e acessível e permitem a adaptação de seu conteúdo para diversos tamanhos e formas de telas, acessíveis em vários dispositivos.

 

O custo de edição das obras é da Editora UFFS, exceto os custos com ISBN, que ficam por conta dos autores/organizadores.

 

A Editora UFFS integra a Associação Brasileira de Editoras Universitárias (ABEU) e conta com Conselho Editorial composto por profissionais de diversas áreas.

 

 

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

- Conselho Editorial, com composição própria e funcionamento autônomo;

- Departamento de Publicações Editoriais, vinculado ao Gabinete do Reitor.

 

  

REGIMENTO

Regimento da Editora UFFS

 

CONSELHO EDITORIAL

 

Composição do Conselho Editorial 

Homologação da composição do Conselho Editorial da Editora UFFS


Atualmente a Editora UFFS recebe em fluxo contínuo:

 

a)  livros acadêmicos e didático-pedagógicos;

b) livros de literatura;

c) coleções de livros clássicos, fora de catálogo e inéditos. 

  

Há um fluxo específico para cada tipo de obra, descrito a seguir:

 

 

LIVROS ACADÊMICOS  E DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS

 

Observação: Teses e dissertações apresentam linguagem e estrutura diferentes das utilizadas em livros. Faz-se necessário que a pesquisa seja adaptada para o formato de livro antes de apresentá-la para avaliação.

 


1. Encaminhamento da obra

Uma cópia digital (em CD ou DVD) do texto original deve ser entregue na Secretaria da Editora, que funciona na Diretoria de Comunicação (DICOM), Unidade Reitoria (Antigo Bom Pastor), na Av. Fernando Machado, 108 E, Centro, Chapecó-SC. 4º andar, Sala 1-4-02.

 

Formulário para encaminhamento de livro acadêmico, preenchido e assinado pelo(s) autor(es) ou organizador(es), e sua cópia digital (em CD ou DVD) também devem ser entregues na Secretaria da Editora.

 

É requisito importante que o texto, em arquivo com extensão .odt, chegue à Editora já revisado, de acordo com o padrão oficial da Língua Portuguesa.

 

Da mesma forma, é necessário que o texto esteja completo, contendo, no mínimo, introdução, desenvolvimento e conclusão, de acordo com as principais orientações constantes nas seguintes normas da ABNT (atualizadas): NBR 6029 (livros e folhetos); NBR 14724 (apresentação); NBR 6023 (referências); NBR 10520 (citações); NBR 6024 (numeração progressiva das seções).

 

Obs.: o projeto editorial é responsabilidade da Editora UFFS; portanto, a estrutura enviada poderá sofrer alterações.

 

 

No caso de obras da área da Saúde, o texto pode ser padronizado de acordo com a American Psychological Association (APA).

 

Se houver imagens, elas devem ter suas fontes identificadas e, quando for o caso, autorizadas para publicação.

 

 

2. Conferência

O texto passa por uma conferência e será devolvido para revisão, caso se constatem problemas de linguagem e estrutura. Nova conferência será realizada e, caso o arquivo revisado ainda necessite de ajustes, será  devolvido outra vez.

 

 

3. Análises dos pareceristas

 O original é enviado para análise de dois pareceristas ad hoc da área de conhecimento da obra.

 

 

4. Avaliação do Conselho Editorial

De posse dos relatórios ad hoc, um dos conselheiros faz o relato dos pareceres ao Conselho Editorial, que delibera sobre a publicação.

 

Caso os pareceristas sugiram ajustes, a obra será devolvida ao autor para proceder à solicitação. Após feita a retificação pelo autor, a obra é reencaminhada ao conselheiro relator, que a submete novamente ao Conselho.

 

O(s) autor(es) é/são informado(s) sobre o resultado da análise através de e-mail.

 

 

5. Assinatura de contrato

Depois de aprovada a publicação pelo Conselho Editorial, a Secretaria da Editora elaborará contrato a ser assinado pelo(s) autor(es) ou organizador(es) da obra.

 

 

6. Edição

Inclui revisão final do texto, projeto gráfico, diagramação e criação da capa.

Durante a edição, o(s) autor(es) ou organizador(es) da obra será(ão) contatado(s) para avaliação (boneco e capa) e aprovação final.

O custo de edição (revisão final, projeto gráfico, diagramação e capa) é da Editora UFFS, exceto os custos com ISBN, que ficam por conta dos autores/organizadores.

 

 

7. Publicação

Ao finalizar a obra, a Editora UFFS a disponibiliza na página da Editora para acesso gratuito, faz o lançamento em conjunto com o autor e a encaminha para divulgação.

 

 Fluxo para publicação 

 

 

LIVROS DE LITERATURA

 

1. Encaminhamento da obra

Uma cópia digital (em CD ou DVD) do texto original, com a autorização dos direitos autorais (quando for o caso), deve ser entregue na Secretaria da Editora, que funciona na Diretoria de Comunicação (DICOM), Unidade Reitoria (Antigo Bom Pastor), na Av. Fernando Machado, 108 E, Centro, Chapecó-SC, 4º andar, Sala 1-4-02.

 

Também deve ser entregue o Formulário para encaminhamento de livro de literatura, assinado pelo(s) autor(es) ou organizador(es).

 

É requisito importante que o texto, em arquivo com extensão .odt, chegue à Editora já revisado, de acordo com o padrão oficial da Língua Portuguesa.

 

 

2. Conferência

O texto passa por uma conferência e será devolvido para revisão, caso se constatem problemas de linguagem e estrutura. Nova conferência será realizada e, caso o arquivo revisado ainda necessite de ajustes, será devolvido outra vez.

 

 

3. Encaminhamento para a Comissão

A obra é encaminhada para uma comissão designada pelo Conselho Editorial e essa comissão indica dois pareceristas ad hoc para análise da obra.

 

 

4. Análises dos pareceristas

O original é enviado para análise de dois pareceristas ad hoc da área de conhecimento da obra.

 

 

5. Parecer da Comissão e avaliação do Conselho Editorial

De posse dos relatórios ad hoc, a comissão faz o relato dos pareceres, que é apresentado na plenária do Conselho para avaliação.

 

 

6. Assinatura de contrato

Depois de aprovada a publicação pelo Conselho Editorial, a Secretaria da Editora elaborará contrato a ser assinado pelo(s) autor(es) ou organizador(es) da obra.

 

 

7. Edição

Inclui revisão final do texto, diagramação e criação da capa.

Durante a edição, o(s) autor(es) ou organizador(es) da obra será(ão) contatado(s) para avaliação (boneco e capa) e aprovação final.

O custo de edição (revisão final, diagramação e capa) é da Editora UFFS, exceto os custos com ISBN, que ficam por conta dos autores/organizadores.

 

 

8. Publicação

Ao finalizar a obra, a Editora UFFS a disponibiliza na página da Editora para acesso gratuito, faz o lançamento em conjunto com o autor e encaminha para divulgação.

 

 

COLEÇÕES DE LIVROS CLÁSSICOS E FORA DE CATÁLOGO

 

1. Apresentação do projeto para a Editora UFFS

Os projetos de coleções para reedição de obras clássicas e de livros fora de catálogo que serão encaminhados para o Conselho Editorial da Editora UFFS deverão conter:

 

- dados do(s) proponente(s) – endereço residencial, telefone celular; telefone para recado; e-mail; profissão; instituição em que trabalha; CPF; RG;

- título da coleção;

- apresentação;

- objetivos;

- justificativa;

- títulos dos livros que serão publicados na coleção;

- um breve resumo de cada livro que será publicado;

- cronograma de publicação de cada título;

- estrutura dos volumes da coleção (neste item o coordenador da coleção deverá detalhar a estrutura básica que cada volume terá. Por exemplo: se terá introdução (quem fará); se o texto reeditado terá notas dos organizadores; se cada volume terá posfácio (quem fará); índice onomástico; índice remissivo; informações dos autores etc;

- cópia da cessão dos direitos dos volumes que serão publicados (quando for o caso);

- resumo do(s) currículo(s) do(s) coordenador(es) editorial(is) da coleção e link para acesso ao Lattes.

 

2. Avaliação do projeto pelo Conselho Editorial

3. Recebimento de cada volume pela Editora UFFS

 

4. Conferência

 

5. Parecer da comissão constituída para avaliação de cada volume

 

6. Apreciação do parecer da comissão pelo Conselho Editorial

 

7. Assinatura do contrato

 

8. Revisão

 

9. Projeto gráfico

 

10. Finalização

 

11. Divulgação

 


 

Geografias da "Fronteira Sul" – Construindo e compartilhando experiências

 Organizadoras: Juçara Spinelli e Kátia Kellem da Rosa

 

  

 

 

 

 


Apresentação

Este livro foi escrito a partir da proposta conjunta entre docentes que fazem parte do Núcleo de Estudos Território, Ambiente e Paisagem (NETAP), o qual congrega docentes, discentes e colaboradores dos campi Chapecó-SC e Erechim-RS, além de alguns pesquisadores de outras universidades. Apresenta pesquisas oriundas do Ensino, da Pesquisa, da Extensão e de relações comunitárias, cuja publicação pretende aprofundar discussões teóricas em Geografia, incluindo a apresentação de problemáticas regionais.

 

Sobre as organizadoras

Juçara Spinelli

Doutora em Geografia e mestra em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora adjunta da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Erechim. Integra os seguintes projetos de pesquisa: "Policentrismo, rede urbana e desenvolvimento regional no RS: uma análise a partir de aglomerações urbanas selecionadas"; "Dimensões econômicas da produção de moradias do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) no Rio Grande do Sul"; "Observatório geográfico da Fronteira Sul: construindo e compartilhando experiências para democratização do acesso às informações regionais"; "Dinâmicas imobiliárias intraurbanas e seus reflexos na rede urbana: um estudo comparado em cidades polo regional do norte gaúcho". Também faz parte do projeto de extensão "Diálogos (im)pertinentes: conversando sobre escola, cotidiano e formação".

Kátia Kellem da Rosa

Doutora e mestra em Geologia Marinha (UFRGS). Graduada em Geografia (Licenciatura e Bacharelado – UFRGS). Professora permanente no Programa de Pós-Graduação em Geografia e Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto da UFRGS. Coordenadora do grupo de geomorfologia e sedimentologia glacial do Centro Polar e Climático. Membro do Centro Estadual de Pesquisas em Sensoriamento Remoto e Meteorologia. Membro editorial da Revista Pesquisas em Geociências e vice-editora chefe da revista Para Onde (Pós-Graduação em Geografia). 


Soja Orgânica Versus Soja Transgênica: um estudo sobre tecnologia e agricultura familiar no noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Autor: Antônio Inácio Andrioli

 

  

 

 

 

 


Apresentação

O livro, que é uma tradução da tese de doutorado publicada em alemão, trata sobre a agricultura familiar da Região Fronteira Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, a qual tende a adaptar-se ao desenvolvimento tecnológico orientado pelos interesses do capital, com base na suposta maior facilidade e redução de trabalho, e, com isso, corre o risco de ser eliminada.

 

 


História da Fronteira Sul

Organizadores: José Carlos Radin, Delmir Valentini e Paulo A. Zarth

 

  

 

 

 

 

 


Apresentação

Este livro é resultado de uma trajetória percorrida e amadurecida em mais de quatro anos de reflexões e carrega a autoria de diversos pesquisadores que abordam, sob diferentes olhares, a História da Fronteira Sul. É fruto de um conjunto de acontecimentos relacionados a um projeto de ensino superior público e gratuito, sonhado durante muitas décadas para este espaço de Fronteira, mas que se materializou somente a partir do ano de 2010, com a criação da Universidade Federal da Fronteira Sul.


    Tecnologia e o Mundo da Vida: do Jardim à Terra

     Primeira obra de Don Ihde traduzida para a língua portuguesa.

 

     Autor: Don Ihde

     Tradução: Maurício Fernando Bozatski

 

            

 

 


Apresentação

Tecnologia e o Mundo da Vida: do Jardim à Terra, tradução de Technology and the lifewold: From Gardem to Earth, feita por Maurício Bozatski, trata das relações humano-tecnologia. É uma das mais importantes obras para a filosofia da tecnologia e pós-fenomenologia, escrita originalmente em língua inglesa, em 1990, por Don Ihde. Apesar de ter sido traduzida para várias línguas, ainda não havia tradução em língua portuguesa.

Trata-se do trabalho mais sistemático de Don Ihde (1934-). De acordo com o autor, Tecnologia e o Mundo da Vida: do Jardim à Terra nasceu num tempo crucial e com sua ênfase sobre o multiculturalismo, a incorporação e em direção a uma nova práxis na ontologia de inter-relações. 

 


Sobre o autor

Don Ihde é um filósofo norte-americano considerado representante da Terceira Geração de filósofos que tratam do tema da tecnologia no discurso filosófico. Foi o primeiro a escrever um livro sobre Filosofia da Tecnologia nos Estados Unidos (1979), tema sobre o qual conta com uma vasta e prolixa obra (mais de 25 livros publicados), a exemplo de Experimental Phenomenology, Listening and Voice: Phenomenologies of Sound, Husserl's Missing Technologies, entre outros. Ihde considera o fenômeno da tecnologia a partir dos objetos particulares, sempre observando sua concretude e materialidade nas relações de uso entre os humanos e as tecnologias e o impacto deste uso para a Ciência e para a Sociedade.

 


Sobre o tradutor

Maurício Fernando Bozatski é professor de Filosofia e faz parte, desde 2010, do Colegiado de Filosofia da UFFS – Campus Chapecó.


      Dicionário histórico-social do Oeste catarinense

      Autores: Gentil Corazza e José Carlos Radin

     

 

         

 

 

 


Apresentação

O Dicionário histórico-social do Oeste catarinense, elaborado por Gentil Corazza e José Carlos Radin, trata de temas relevantes, estreitamente ligados entre si, relacionados à história, sociedade, economia, política e cultura do Oeste catarinense, principalmente do final do século XIX até a atualidade.

A apresentação na forma de um dicionário de pequenos ensaios justifica-se, primeiramente, porque praticamente todos os temas já foram objetos de estudos (artigos, livros e trabalhos acadêmicos), compondo ampla bibliografia sobre a história e a sociedade desta região. Outra razão está na própria natureza e no objetivo de um dicionário – servir de introdução e guia para estudos de maior envergadura, necessários para aprofundar a compreensão dos temas abordados.

Trata-se de uma obra dinâmica, uma vez que fará atualizações periódicas, em especial pela incorporação de novos verbetes.

 


Sobre os autores

Gentil Corazza é pós-doutor (Sorbonne), doutor (Unicamp) e mestre (UFRGS) em Economia, especialista em Sociologia do Desenvolvimento, graduado em Economia e Filosofia.

Foi professor titular e diretor da Faculdade de Economia da UFRGS; professor visitante da Unila e da UFFS; pesquisador da Fundação de Economia e Estatística; bolsista do CNPQ; membro do comitê de Economia da Capes e editor de revistas econômicas. Entre suas publicações, além de artigos em periódicos especializados, capítulos de livros e outros gêneros textuais, constam as obras “História Centenária da Faculdade de Ciências Econômicas 1909-2009”, “Métodos da ciência Econômica”, “A Junta Comercial no contexto da economia do Rio Grande do Sul” e “Teoria Econômica e Estado-de Quesnay a Keynes”.

 

José Carlos Radin é doutor e mestre em História do Brasil (UFSC), especialista em História (UPF) e graduado em Filosofia (UPF).

É professor adjunto de História no Campus Chapecó, com atuação também no Programa de Pós-Graduação. Ocupou o cargo de diretor de Pós-Graduação da UFFS de 2010 a 2017.

É autor dos livros “Representações da Colonização”, “Italianos e Ítalo-brasileiros na Colonização do Oeste Catarinense” e “Cultura e Identidade Italiana no Brasil: algumas abordagens”, além de capítulos de livros e artigos em periódicos especializados, entre outros gêneros textuais.

 

Juntos, Gentil Corazza e José Carlos Radin organizaram o livro “Fronteira Sul: ensaios socioeconômicos”.

 


 


 

História Ambiental e Migrações: Diálogos

"Os estudos de caso apresentados aqui são um lembrete de uma rica herança cultural". Stephel Bell, PhD.

Organizadores: Eunice Sueli Nodar, Marcos Gerhardt e Samira Peruchi Moretto

 

           

 

 


Apresentação

Por muito tempo, a migração e o meio ambiente foram vistos como dois domínios (reinos) completamente distintos. Isso também se refletiu no trabalho dos historiadores, com um diálogo tão escasso entre historiadores da migração e historiadores ambientais. Assim, com este volume, Nodari, Moretto e Gerhardt, organizadores da obra, oferecem uma contribuição notável para moldar o campo emergente da história ambiental das migrações. E o Brasil, com sua rica mistura de ecologias e culturas, é o estudo de caso perfeito. Em tempos de muros, cercas de arames farpados e crise ecológica, um volume como este é a explicação perfeita de por que a história (e ainda mais a história ambiental) é importante.

Marco Armiero, PhD. Royal Institute of Technology (KTH, Sweden).

 


Sobre os organizadores

Eunice Sueli Nodari

Doutora em História pela PUC-RS. Professora no Programa de Pós-Graduação em História e no Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Integrante do Laboratório de Imigração, Migração e História Ambiental (LABIMHA UFSC). 

 

Marcos Gerhardt

Doutor em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor no Curso de Graduação em História e no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Passo Fundo (UPF). Integrante do Laboratório de Imigração, Migração e História Ambiental (LABIMHA UFSC) e do Núcleo de Estudos Históricos do Mundo Rural (UPF).

 

Samira Peruchi Moretto

Doutora em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora no Curso de Graduação em História da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó-SC. Integrante do Laboratório de Imigração, Migração e História Ambiental (LABIMHA UFSC).


   

  Movimentos e lutas sociais pela terra no sul do Brasil: questões contemporâneas 

  “Os movimentos contemporâneos são profetas do presente.” (Alberto Melucci)

   

 

    Organizadores: João Carlos Tedesco, Jonas José Seminotti e 

    Humberto José da Rocha

 

  

            

 

  

 


Apresentação

A história dos movimentos e lutas sociais ganha novos atores, e novas demandas se configuram neste início de século XXI. O processo histórico que originou movimentos sociais de luta pela terra ainda contabiliza refluxos e conquistas que impõem desafios, criam esperanças e geram frustrações, mantendo esses movimentos sociais em constante atualização. Como forma de registro de parte desse processo, este livro contempla questões contemporâneas sob perspectivas de representações do mundo rural, conflitos pela terra e pautas e políticas para o campo, de forma a oferecer diferentes ângulos de discussão da questão rural na contemporaneidade e análises específicas relacionadas com contextos mais amplos que requerem análises multidisciplinares empreendidas de forma multiescalar. Eis o cenário de pesquisa vislumbrado nesta obra para o estudo do rural na contemporaneidade.

 


Sobre os organizadores

João Carlos Tedesco

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas, atualmente é professor titular da Universidade de Passo Fundo (UPF), nas áreas de Ciências Sociais e no Mestrado e Doutorado em História. Atua principalmente em temas sobre memória, imigração, campesinato, trabalho e movimentos sociais.

 

Jonas José Seminotti

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), atualmente é professor adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pesquisa sobre os temas da Educação do campo e desenvolvimento, movimentos sociais, sindicalismo da agricultura familiar e desenvolvimento rural.

 

Humberto José da Rocha

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), atualmente é professor adjunto na Licenciatura em Ciências Sociais e no Mestrado em História da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Pesquisa acerca da temática dos movimentos sociais e barragens, sendo líder do Grupo de Pesquisa "Movimentos Sociais na Fronteira Sul" (UFFS/CNPq).


 

   

 O modelo de desenvolvimento brasileiro das primeiras décadas do século XXI: aportes para o debate

    

 

    Organizadores: Edemar Rotta, Herton Castigloni e Neusa Rossini.

 

  

       

 

  

 


Apresentação

O modelo de desenvolvimento implantado no Brasil a partir do início do século XXI situa-se em um contexto de crise do ideário neoliberal e retomada do pensamento desenvolvimentista. O ideário neoliberal, hegemônico no contexto mundial a partir da década de 1980, apresentou, no final dos anos 90, sinais claros de esgotamento: altas taxas de desemprego, ampliação das desigualdades, concentração de renda, baixos índices de crescimento econômico, entre outros. A construção de alternativas exigiu repensar as relações entre o mercado, o Estado e as diferentes organizações da sociedade civil. No caso brasileiro, a proposta que se tornou hegemônica retomou princípios desenvolvimentistas de uma ação mais incisiva do Estado, tanto como planejador e articulador, quanto como financiador e agente direto em processos econômicos e sociais com vistas ao desenvolvimento. Este novo modelo incita muitas reflexões para compreender suas características e repercussões nos cenários locais e regionais.

 

 


Sobre os organizadores

Edemar Rotta

Doutor em Serviço Social (PUCRS) e mestre em Sociologia (UFRGS). Professor do Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Políticas Públicas da UFFS. Pesquisador na área de Desenvolvimento e Políticas Públicas.

 

Herton Castiglioni Lopes

Doutor em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), atualmente é professor adjunto da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS).

 

Neusa Rossini

Mestra em Desenvolvimento e Políticas Públicas pela Universidade Federal da Fronteira Sul – Campus Cerro Largo. Graduada em Ciências Contábeis (2007) e especialista em Gestão Empresarial (2009) pela Fundação Educacional Machado de Assis.


 

 

     Mas, afinal, para quê, então, Filosofia? Uma leitura do Górgias de Platão

 

     “Afinal de contas, quanta coisa mudou desde que Tales de Mileto, aquele que é considerado o primeiro filósofo, andava por aí a medir pirâmides...”

 

   Autor: Fausto Dos Santos Amaral Filho

   

 

  

                   

 

 


Apresentação

Antes de tudo é preciso dizer que a presente obra – "Mas, afinal, para quê, então, Filosofia: uma leitura do Górgias de Platão" – parte de uma concepção hermenêutica que leva em consideração o estilo literário através do qual Platão nos legou os seus escritos: o diálogo socrático. Obra de literatura e ficção que se assemelha a uma peça teatral. E que, assim sendo, nos impõe uma hermenêutica específica, da qual resulta, em primeiro plano, a necessidade de compreendê-la a partir da sua integralidade orgânica. Assim, tomando a obra como um todo, perseguindo a disposição dos personagens, vemos no transcorrer do texto uma discussão que, ao delimitar a filosofia em contraposição à retórica, acaba por revelar a pergunta fundamental pelo valor da vida ou, ainda melhor, acaba por questionar o modelo de vida que realmente teria valor. Seguindo a linearidade do diálogo, mostram-se os argumentos de Sócrates com seus dialogantes: Polo, Górgias e Cálicles. Mais especificamente, como Sócrates vai impondo a contradição a cada um dos participantes do diálogo, superando, assim, o modelo de vida proposto por eles. Dessa maneira, a obra, tendo o diálogo de Platão como referência, questiona qual seria o modo de vida mais adequado para se viver.


Sobre o autor

Fausto Dos Santos Amaral Filho

Doutor em Filosofia pela UFRJ. Professor adjunto e pesquisador do PPGED da Universidade Tuiuti do Paraná. Atua principalmente nos seguintes temas: Hermenêutica e Educação; Crítica da Modernidade e Educação; Epistemologia e Educação. Lidera o Grupo de Pesquisa Epistemologia e Educação e o Grupo Sur Paideia. Autor de vários livros, dentre eles: Platão e a Linguagem Poética (Argos, 2008); Os Filósofos e a Educação (Argos, 2014).


 

      Macunaíma: o herói sem nenhum caráter

 

   O que define Macunaíma “é um desejo de sabotar conceitos, de frustrar expectativas de leitura, de criar ambiguidades. (...) Nenhum livro do período é mais importante do que ele, tanto pela busca de caminhos ficcionais quanto pela desnegativação da nacionalidade".  (Miguel Sanches Neto)

 

   Autor: Mário de Andrade

  Organizadores: Miguel Sanches Neto e Silvana Oliveira

   

                   

 


Apresentação

Publicada em 1928, a obra de Mário de Andrade é considerada um dos principais romances modernistas. A narrativa é uma rapsódia sobre a formação do Brasil, em que vários elementos nacionais se cruzam numa narrativa que conta a história de Macunaíma, o herói sem nenhum caráter. O autor recorreu ao seu vasto conhecimento do folclore nacional e aos preceitos da produção literária modernista para realizar essa tarefa.

Macunaíma nasceu no fundo do mato-virgem, filho do medo e da noite, uma criança birrenta, preguiçosa e de mente ardilosa. Passa a infância em uma tribo amazônica até que toma banho de mandioca brava e se torna um adulto. Apaixona-se por Ci, a Mãe do Mato, e com ela tem um filho que morre ainda bebê. Após a morte do filho, Ci sobe aos céus de desgosto e vira uma estrela. Macunaíma fica muito triste por perder sua amada. A única recordação dela é um amuleto, “muiraquitã”, mas ele o perde. Ao descobrir que o amuleto está em São Paulo, na posse de Venceslau Pietro Pietra, o gigante Piamã comedor de gente, Macunaíma parte para lá com seus dois irmãos. Após algumas tentativas, ele consegue de volta o amuleto e retorna para sua tribo na Amazônia. Algumas aventuras depois e ele perde novamente o amuleto. Decepcionado, Macunaíma também sobe aos céus.


Sobre o autor

Mário de Andrade

Um dos nomes de maior relevância para o Modernismo Brasileiro, Mário de Andrade compôs uma obra múltipla, desde os anos heroicos do movimento nascido com a Semana de Arte Moderna de 1922. Com a publicação dos poemas de “Paulicéia Desvairada”, o autor foi capaz de equalizar a potência da sua criação com as mudanças exigidas pela arte e pela cultura brasileira daquele momento. Em 1942, ele faz o inventário do movimento no famoso texto “Modernismo Brasileiro” e nos aponta três princípios fundamentais, que teriam sido a preocupação e a herança do Modernismo: o direito à pesquisa estética; a atualização da inteligência artística brasileira; a estabilização de uma consciência criadora nacional. Mário reconhece, então, não haver ineditismo em relação a outros movimentos artísticos anteriores, mas destaca o aspecto de articulação coletiva desses princípios, o que teria sido o verdadeiro mérito modernista. O autor marca o século XX com a sua produção poética, narrativa, teórica e crítica e se mantém como referência fundamental para se pensar não apenas o Modernismo Brasileiro, mas todo o processo de formação e consolidação de uma dicção própria para a literatura no Brasil.

 

Sobre os organizadores

Miguel Sanches Neto

Professor associado do Departamento de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Pós-doutor em Literaturas de Língua Portuguesa (Universidade do Minho, Portugal); doutor em Teoria e História Literária pela Unicamp e Mestre em Estudos Literários (UFP). É autor, entre outros, dos romances “Chove sobre minha infância”, “Um amor anarquista”, “A primeira mulher” e “Chá das cinco com o vampiro” e das coletâneas de contos “Hóspede secreto” e “Primeiros contos”. Atualmente é reitor da Universidade Estadual de Ponta Grossa (2018-2022).

 

Silvana Oliveira

Professora associada do Departamento de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Pós-doutora em Literatura Comparada (UERJ); doutor em Teoria e História Literária (Unicamp) e mestra em Estudos Literários (UFP). É autora, entre outros, dos livros “Análise de textos literários: poesia”, "Textualidades Contemporâneas – a crítica literária no século XX" e “Literatura Portuguesa II – PROLICEN”. Atualmente coordena o Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Ponta Grossa (2017-2019).


 

    Paisagem e Socionatureza: olhares geográfico-filosóficos

 

 "Entender a paisagem é, de certo modo, fazer uma viagem para perscrutar o que  há no mundo e o que há do mundo em nós...”

 

   Autor: 

  Reginaldo José de Souza

 

 

                          

 

 


Apresentação

A obra resultou de uma pesquisa de pós-doutoramento realizada no Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa. O enfoque é a compreensão das bases filosóficas de um conceito amplamente utilizado na pesquisa e no ensino de Geografia: a paisagem. A partir da abordagem filosófica, que a considera como dimensão da existência e de um possível retorno ao sentimento de natureza em uma sociedade econômica e ecologicamente em crise, o objetivo da obra é discorrer sobre a paisagem enquanto potencialidade para a leitura crítica da realidade e busca de um mundo socialmente justo. A essência da natureza é constituída pela dialética ordem-caos e, enquanto movimento incessante, subjuga tudo e todos à dissolução no tempo e no espaço. No cerne da democrática condenação natural à morte, a sociedade hierárquica pode encontrar meios para realizar sua própria humanidade: sem guerras, sem degradação, sem riquezas acumuladas através de empobrecimento e fome. A compreensão da paisagem pode ser a porta de entrada para a estética da beleza que deve haver no mundo, em nós, nas relações humanas e na maneira de transformar a natureza.


Sobre o autor

Reginaldo José de Souza

Doutor em Geografia pela UNESP. É professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGeo) da UFFS. Atua principalmente nos seguintes temas: conceituação da paisagem, suas bases epistemológicas e aplicabilidades no ensino e pesquisa sobre temáticas ambientais. Autor dos livros "A construção de conhecimentos geográficos: uma análise histórico-cultural" (EDUCAT, 2017) e "A paisagem, uma ferramenta de análise do desenvolvimento sustentável" (UEMA, 2012).


 

 

     Mas, afinal, para quê, então, filosofia? Uma leitura do Górgias de Platão

 

     “Afinal de contas, quanta coisa mudou desde que Tales de Mileto, aquele que é considerado o primeiro filósofo, andava por aí a medir pirâmides...”

 

   Autor: Fausto Dos Santos Amaral Filho

   

 

  

                   

 

  

 


Apresentação

Antes de tudo é preciso dizer que a presente obra – "Mas, afinal, para quê, então, Filosofia: uma leitura do Górgias de Platão" – parte de uma concepção hermenêutica que leva em consideração o estilo literário através do qual Platão nos legou os seus escritos: o diálogo socrático. Obra de literatura e ficção que se assemelha a uma peça teatral. E que, assim sendo, nos impõe uma hermenêutica específica, da qual resulta, em primeiro plano, a necessidade de compreendê-la a partir da sua integralidade orgânica. Assim, tomando a obra como um todo, perseguindo a disposição dos personagens, vemos no transcorrer do texto uma discussão que, ao delimitar a filosofia em contraposição à retórica, acaba por revelar a pergunta fundamental pelo valor da vida ou, ainda melhor, acaba por questionar o modelo de vida que realmente teria valor. Seguindo a linearidade do diálogo, mostram-se os argumentos de Sócrates com seus dialogantes: Polo, Górgias e Cálicles. Mais especificamente, como Sócrates vai impondo a contradição a cada um dos participantes do diálogo, superando, assim, o modelo de vida proposto por eles. Dessa maneira, a obra, tendo o diálogo de Platão como referência, questiona qual seria o modo de vida mais adequado para se viver.


O autor

Fausto Dos Santos Amaral Filho

Doutor em Filosofia pela UFRJ. Professor adjunto e pesquisador do PPGED da Universidade Tuiuti do Paraná. Atua principalmente nos seguintes temas: Hermenêutica e Educação; Crítica da Modernidade e Educação; Epistemologia e Educação. Lidera o Grupo de Pesquisa Epistemologia e Educação e o Grupo Sur Paideia. Autor de vários livros, dentre eles: Platão e a Linguagem Poética (Argos, 2008); Os Filósofos e a Educação (Argos, 2014).


 

Aconteceu de verdade: lendas urbanas da UFFS

 

"Toda pessoa, independentemente de sua origem, crença ou formação, desenvolve-se em torno de narrativas."

 

 Organizador: Saulo Gomes Thimóteo

 

      

 

  


Apresentação

Este livro reúne uma coletânea de contos, subgênero literário de lendas urbanas, tendo como premissa a união de um elemento sobrenatural com o espaço físico do Campus Realeza, cenário em que ocorrem as histórias, os relatos e as propostas ficcionais de várias pessoas da comunidade acadêmica (alunos, técnicos, funcionários terceirizados e docentes). Essas lendas revelam a criatividade de novos olhares para o ambiente acadêmico. Assim, histórias de fantasmas, lobisomens e situações fantásticas são incorporadas à universidade. Ocorrem em laboratórios, salas de aula e entorno do Campus Realeza, fazendo com que o ambiente mágico da dimensão literária e imaginativa adentre e dialogue com o cotidiano real e concreto. Como é missão da universidade discutir e problematizar o desconhecido e o ignorado, há certa catarse nessas histórias, possibilitando o acréscimo de componentes do suspense, do fictício e, na esfera mais abrangente, da linguagem literária.

 

Sobre o organizador

Saulo Gomes Thimóteo

Doutor em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP) e mestre em Estudos Literários pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Graduado em Letras – Português e Literaturas de Língua Portuguesa e em Jornalismo, na Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro). Coordenador do subprojeto de Letras – Português do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID). Coordenador do projeto de pesquisa "A arquitetura lógica e a retórica argumentativa nos sermões do padre António Vieira" e dos projetos de extensão "Adamastor – Laboratório de jogos literários", "Um professor lê: diálogos virtuais de literatura" e "Grupo de estudos de narrativas televisivas – GENTE", além do projeto que deu origem ao livro, "Aconteceu de verdade: lendas urbanas da UFFS".


Ações afirmativas na educação superior:  a experiência da Universidade Federal da Fronteira Sul

 

"As políticas de ações afirmativas possuem um importante papel no processo de democratização da educação superior e na redução das desigualdades sociais e raciais que marcaram a sociedade brasileira desde a sua origem."

 

Autores: Joviles Vitório Trevisol e Rosileia Lucia Nierotka

  


Apresentação

Este livro apresenta os resultados de uma pesquisa que teve o objetivo de investigar as políticas de acesso e as ações afirmativas implementadas pela UFFS, com o propósito de compreender como tais políticas contribuem para o processo de democratização da educação superior pública brasileira. Ao tomar a UFFS como objeto de estudo, foi possível considerar que as suas políticas de acesso e ações afirmativas contribuem para a democratização da educação superior pública brasileira. No entanto, é necessário considerar que se trata de uma instituição ainda muito jovem. Ainda há muitos desafios e questionamentos para que, de fato, possa se consolidar como uma universidade inclusiva, com uma educação pública e de qualidade. Mesmo sendo jovem, os resultados demonstraram que a UFFS, desde sua criação, priorizou a escola pública em suas políticas de acesso. 

 

Sobre os autores

Joviles Vitório Trevisol 

Pós-Doutor em Sociologia pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, doutor em Sociologia (USP) e mestre em Sociologia (UFSC). Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Fronteira Sul. Além da docência na graduação e na pós-graduação, exerceu inúmeras funções no âmbito da gestão universitária e científica, como a de editor científico de periódicos, líder de grupo de pesquisa, membro de conselhos científicos de periódicos e de eventos científicos. 

 

Rosileia Lucia Nierotka

Doutoranda em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Mestra em Educação pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas e graduada em Serviço Social pela Universidade Comunitária Regional de Chapecó (Unochapecó). Exerce o cargo de Assistente Social na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Atua na Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis e no Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor Público Federal (SIASS).


 

   

 Conhecimento em Rede: desenvolvimento, cooperação e integração regional em território de fronteira – Rede CIDIR – 10 anos


 

     

 

Organizadores: Andréia Fröhlich Justen, Edemar Rotta, Ivann Carlos Lago e Micheli dos Santos

 

  

            

 

  

 


Apresentação

A obra reúne 33 textos, organizados em sete capítulos: 

I- Comércio internacional e relações de fronteira;

II- Integração regional; 

III- Desenvolvimento regional; 

IV- Desenvolvimento e meio ambiente; 

V- Desenvolvimento e novas tecnologias produtivas e sociais; 

VI- Desenvolvimento e participação social; 

VII- Desenvolvimento e políticas públicas.

A obra resulta de seleção dos trabalhos melhor avaliados pelo Comitê Internacional da Rede CIDIR no “VIII Simpósio Iberoamericano de Cooperação para o Desenvolvimento e a Integração Regional”. Trata-se de evento internacional itinerante realizado pelas instituições da Rede, alternando edições no Brasil, na Argentina e no Paraguai. Os sete capítulos traduzem os temas prioritários de discussão, reflexão e produção do conhecimento que perpassam as atividades desenvolvidas pela Rede CIDIR que, em 2017, comemorou seus dez anos de funcionamento. Como Rede de pesquisa, ela reúne 22 Instituições de Ensino Superior (IES) do Brasil, Paraguai, Uruguai, México, da Argentina, Venezuela e Espanha, com foco prioritário de integração e socialização do conhecimento nas áreas de Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas.

 

Sobre os organizadores

 

Andréia Fröhlich Justen

Graduada em Administração (URI). Especialista em Administração de Pessoas (UNIASSELVI), com MBA em Políticas Públicas para Cidades. Mestre em Desenvolvimento e Políticas Públicas (UFFS). Atualmente é assistente em administração na Universidade Federal da Fronteira Sul – Campus Cerro Largo.

Edemar Rotta

Licenciado em Filosofia, com habilitação em Filosofia, Sociologia e História (FAFI-DOM BOSCO). Especialista em Educação  e especialista em Filosofia (FAFI – Dom Bosco). Mestre em Sociologia (UFRGS). Doutor e pós-doutor em Serviço Social (PUCRS). Professor permanente do Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Políticas Públicas da Universidade Federal da Fronteira Sul. Pesquisador nas áreas de políticas públicas, políticas sociais, desenvolvimento e desenvolvimento regional.

Ivann Carlos Lago

Doutor e mestre em Sociologia Política (UFSC). Graduado em Ciências Sociais (Univali). Professor assistente da Universidade Federal da Fronteira Sul, atuando no Campus Cerro Largo (RS). Professor permanente do Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Políticas Públicas da Universidade Federal da Fronteira Sul. Pesquisador nas áreas de teoria política, cultura política, comportamento político, desenvolvimento e políticas públicas.

Micheli dos Santos

Mestre em Desenvolvimento e Políticas Públicas (UFFS). Graduada em Administração (URI) e especialista em Administração Estratégica (UNIASSELVI). Assistente em administração na Universidade Federal da Fronteira Sul – Campus Cerro Largo-RS. Integrante do projeto de pesquisa “Práticas de Governança Eletrônica na Gestão Pública Municipal: investigando as 25 prefeituras dos municípios que integram o Conselho Regional de Desenvolvimento das Missões-RS”, aprovado no Edital Chamada MCTI/CNPq Nº 01/2016 – Universal. Pesquisadora vinculada ao GP Estudos Organizacionais e Tecnologias de Gestão (EOTG) – UFFS.


 

 

       Abastecimento Alimentar: redes alternativas e mercados institucionais

 

      Uma coedição com a editora da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV).   

   

     Organizadores: Carla Rosane Paz Arruda Teo, José Giacomo Baccarin,

     Julian Perez-Cassarino e Rozane Marcia Triches

 

  

                 

 

  

 


Apresentação

Esta obra trata do tema "abastecimento alimentar", buscando enfatizar as redes alimentares alternativas que vêm se constituindo como um contramovimento ao sistema agroalimentar dominante. Os textos que a constituem envolvem pesquisas realizadas pelos organizadores e autores, os quais representam a Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS),  a Universidade de Cabo Verde (Uni-CV) e a Universidad de la República Uruguay (Udelar), além de outras instituições brasileiras. A obra divide-se em três partes: a primeira introduz as discussões sobre a sustentabilidade do sistema alimentar, as formas alternativas de abastecimento e as políticas brasileiras para o setor; a segunda aborda os mercados institucionais, principalmente o caso do Programa Nacional de Alimentação Escolar e o do Programa de Aquisição de Alimentos, assim como experiências nesse sentido em Cabo Verde e no Uruguai; a terceira parte apresenta experiências brasileiras e uruguaias de redes alternativas de abastecimento alimentar e de consumo responsável e comercialização de produtos orgânicos/agroecológicos.  


Sobre os organizadores

 

Carla Rosane Paz Arruda Teo

Nutricionista, doutora em Ciências de Alimentos pela Universidade Estadual de Londrina, com Pós-Doutorado em Nutrição em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação
em Ciências da Saúde da Universidade Comunitária da Região de Chapecó. 

 

José Giacomo Baccarin

Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de São Carlos e mestre em Economia Agrária pela Universidade de São Paulo, campus de Piracicaba. Graduado em Agronomia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), campus de Jaboticabal. Livre docente em Desenvolvimento Agroindustrial e Política
Agrícola pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Jaboticabal.

 

Julian Perez-Cassarino 

Engenheiro florestal, doutor em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professor da UFFS – Campus Laranjeiras do Sul. Atua nos Programas de Pós-Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável (UFFS) e Meio Ambiente e Desenvolvimento (UFPR).

 

Rozane Marcia Triches

Nutricionista, doutora em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora do Programa de Pós-Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável da Universidade Federal da
Fronteira Sul (UFFS).


 

 

      Imigração Italiana em Santa Catarina e no Paraná:  fontes diplomáticas     italianas (1875-1927).

 

  As iniciativas de colonização planejadas e fomentadas pelo governo brasileiro,   bem como de províncias/estados, se tornaram “un esperimento di ingegneria   sociale senza precedenti”.

   

     Autor: José Carlos Radin

 

  

               

 

 


Apresentação

Este livro é parte de uma pesquisa realizada em 2018, por ocasião do estágio de Pós-Doutorado do autor, na Universidade de Padova, Itália. Em seus três capítulos, situa Santa Catarina e Paraná no cenário nacional e regional – território fronteiriço, representado pela intelectualidade e estafes governamentais como “escassamente povoado”. Evidencia que o cenário vivido pela Itália e, por outro lado, as políticas públicas de governos brasileiros, em muito contribuíram para a criação de condições propícias à emigração, em alguns períodos, “em massa”. Destaca um conjunto de situações que favoreceram o acesso à propriedade da terra, articuladas numa espécie de “engenharia social”, que fixou definitivamente a grande maioria dos imigrantes às terras, a partir de assentamentos, experiência que se diferencia do tradicional modelo agrário brasileiro, amplamente dominado pelo latifúndio. Isso implicou a vida tanto de imigrantes quanto de grupos já estabelecidos, notadamente as populações indígenas e caboclas. Por fim, figura um conjunto de fontes diplomáticas publicado sobretudo nas revistas do Ministério das Relações Exteriores: “Bollettino Consolare” (1861-1887), “Bollettino del Ministero degli Esteri” (a partir de 1888) e “Bollettino dell’Emigrazione” (após 1902).


Sobre o autor

José Carlos Radin

Doutor e mestre em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduado em Filosofia e especialista em História pela Universidade de Passo Fundo. Realizou Pós-Doutorado no Dipartimento di Scienze Storiche Geografiche e Dell’Antichità, da Universidade de Padova, Itália. É professor associado da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS, Chapecó-SC) e docente do Programa de Pós-Graduação em História. 

 


 

 

     Extensão universitária na UFFS: trajetórias, alcances e desafios

 

  "...com o objetivo de produzir reflexões e socializar compreensões, o livro Extensão Universitária na UFFS: trajetórias, alcances e desafios é fruto de trabalho coletivo de docentes, discentes, técnicos administrativos e comunidade regional..."

   

     Organizadores:

     Émerson Neves da Silva e Solange Todero Von Onçay


                Icone EPUB   Icone MOBI        

 


Apresentação

A discussão acerca da importância formativa da extensão universitária intensificou-se, nos últimos dez anos, na academia e no Conselho Nacional de Educação (CNE), culminando com a Resolução Nº 7, de 18/12/ 2018/CNE, que estabeleceu as Diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira e a curricularização da extensão.

Impulsionado por essa movimentação, com o objetivo de produzir reflexões e socializar compreensões, o livro Extensão Universitária na UFFS: trajetórias, alcances e desafios é fruto de trabalho coletivo de docentes, discentes, técnicos administrativos e comunidade regional, desenvolvido ao longo do I Seminário Integrador de Extensão da UFFS, realizado em 2016.

O foco central é a sistematização de experiências de projetos e programas desenvolvidos na UFFS, advindos das ações extensionistas, considerando a relação indissociável com o ensino e a pesquisa, num revigor mútuo, contribuindo e gerando reflexões para a discussão vindoura da curricularização na UFFS.

Assim, a essência da obra não pode ser apreendida fora deste movimento que implica a relação práxica, desde a concepção de extensão produzida e defendida pela UFFS, uma instituição pública e democrática que nasceu no seio das lutas sociais e se substancia das relações comunitárias e extensionistas. 


Sobre os organizadores

Émerson Neves da Silva

Doutor em História/UNISINOS. Membro permanente do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH/UFFS). Membro permanente do Programa Permanente Mestrado Profissional em Educação (PPGPE/UFFS). Coordenador do Núcleo de Estudos Agrários, Urbanos e Sociais (NIPEAS/UFFS).

Solange Todero Von Onçay

Doutora em Antropologia Social pela Universid Nacional da Misiones (UNAM/AR). Mestre em Educação/UPF. Membro do Grupo Educação Popular na Universidade (GRUPEPU) e do Núcleo de Estudos Agrários, Urbanos e Sociais (NIPEAS/UFFS).