Direção do campus Erechim propõe inclusão da logística de transporte na pauta dos municípios

Publicado em: 08 de junho de 2012 13h06min / Atualizado em: 12 de janeiro de 2017 10h01min

Dando continuidade ao planejamento interno que prevê a articulação de alternativas para o deslocamento de estudantes e servidores para o novo e definitivo campus da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) em Erechim, a direção da instituição apresentou aos prefeitos da Associação dos Municípios do Alto Uruguai (Amau), um levantamento parcial do número de acadêmicos que necessitam de transporte. O levantamento, feito pela equipe da UFFS – Campus Erechim, abrangeu até o momento 54% dos estudantes, que no total são mais de mil em nível de graduação e aproximadamente cem em cursos de pós-graduação. Nos próximos semestres esse número deve aumentar.

Do total de estudantes entrevistados, 25% vêm de municípios da região, consequentemente, com a mudança de localização do campus precisarão readequar o transporte até a universidade. Conforme o diretor da UFFS – Campus Erechim, Ilton Benoni da Silva, que apresentou o relatório aos prefeitos durante reunião da Amau realizada na terça-feira (06), o objetivo da explanação foi buscar o envolvimento da entidade na construção da nova logística de transporte. “Precisamos desenhar uma proposta que considere a necessidade de um transporte regular, seguro e barato”, explica.

Atualmente diversas associações de estudantes da região recebem apoio dos municípios para conseguir se deslocar até a universidade, o que torna imprescindível que a discussão da nova logística de transporte integre também essas organizações. Além disso, Benoni buscou a sensibilização dos prefeitos visando a colaboração na esfera política para que obras como a duplicação da ERS 135 e a construção do trevo de acesso à universidade entrem na pauta de prioridades.

Transporte urbano

Além do transporte dos alunos que vêm de municípios da região, a comissão interna da UFFS está atuando em outra frente, visando a discussão, em conjunto com o poder público local, de alternativas para o deslocamento de alunos e servidores do perímetro urbano para o novo campus, que fica a cerca de 12 quilômetros do Centro de Erechim. Nesse contexto, o levantamento feito até o momento apontou que, com a mudança para o campus definitivo, 62% dos estudantes precisarão desse serviço. Outros 9% estariam dispostos a contratar serviços alternativos, como o transporte com van, por exemplo, e 3% indicaram a possibilidade de uso de carro próprio.

O coordenador administrativo da UFFS - Campus Erechim, Dirceu Benincá, que também participou da reunião na Amau explica que esse levantamento é a primeira etapa do processo de construção da proposta de logística de transporte, a qual está entre as preocupações da instituição para garantir condições de funcionamento e acesso para o campus definitivo. Os próximos passos implicarão discussões internas e articulação com os demais agentes públicos e privados envolvidos com o tema.