Campus Realeza: Projeto Cinedebate discute temas vinculados a diversidade sexual

Publicado em: 01 de julho de 2016 09h07min / Atualizado em: 11 de janeiro de 2017 10h01min

A diversidade sexual foi tema do Projeto Cinedebate da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Realeza. Na noite desta quinta-feira (30), foi exibido o filme "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho", que apresenta a história de Leonardo (Ghilherme Lobo), um adolescente cego que lida com a descoberta da sexualidade. O evento foi realizado na Casa da Cultura de Realeza e contou com participação de aproximadamente 70 pessoas.

O filme do diretor Daniel Ribeiro explora de forma delicada e sutil uma referência de jovem homossexual que enfrenta, ao mesmo tempo, as dificuldades da deficiência visual e o bullying entre colegas de sala. Nesse contexto, durante o debate foram pontuadas questões referentes à homofobia, à superação do preconceito e à discriminação, tanto da comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros), como das pessoas com alguma deficiência física ou mental.

"Ultimamente vivemos um retrocesso, já que tivemos o boicote ao ensino das relações de gênero nas escolas. Além disso, professores são cerceados no seu direito de expressão. O que estamos conversando aqui hoje está sendo boicotado pelas escolas, e professores são repreendidos, justamente por promoverem a garantia de um direito humano, que é o direito à educação sexual, que contempla a educação voltada às questões de gênero", evidencia a professora e psicóloga da UFFS, Renata Orlandi.

Fatos históricos como o massacre em uma boate gay em Orlando, nos Estados Unidos, onde um atirador matou pelo menos 50 pessoas, a exclusão dos temas identidade de gênero e sexualidade no Plano Nacional de Educação (PNE), bem como o reflexo disso também nos planos municipais e estaduais foram constantemente citados durante o debate. Outro ponto abordado foi como é encarada a sexualidade da pessoa com deficiência, geralmente vista como assexuada.

Entre os depoimentos dos espectadores, muitos relataram as dificuldades em tratar esse tipo de assunto em sala de aula, o conservadorismo dos legisladores, a descoberta da própria homossexualidade, o tratamento às pessoas com deficiência, assim como a luta pela igualdade de direitos.